1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Novos desafios da UE põem ajuda aos pobres em xeque

União Européia prioriza cada vez mais segurança em sua política externa e investe na vizinhança. Organizações não-governamentais criticam secundarização do combate à pobreza mundial e cobram coerência.

default

Tropas de paz na África: ajuda ao desenvolvimento?

Desde os atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA, a União Européia vem mudando sua prioridade em política exterior, o que preocupa as organizações não-governamentais de ajuda ao desenvolvimento. A segurança da comunidade e internacional assumiu papel de relevância em detrimento do combate à pobreza, denunciam as ONGs e outras instituições do setor de cooperação para o desenvolvimento.

De acordo com o presidente da federação das ONGs alemãs do setor (Venro), os programas de apoio ao desenvolvimento somam 60 bilhões de dólares em todo o mundo. Para Reinhard Hermle, é pouco. O mundo precisaria investir no mínimo o dobro para cumprir a meta acertada em 2000 com a ONU de reduzir à metade a miséria no planeta até 2015.

Mais da metade dos recursos vem da União Européia e de seus países-membros. Entretanto, as ONGs denunciam uma mudança na destinação das verbas. "Raros são os países pobres que desfrutam da maior fatia da ajuda financeira da UE. Os recursos vão sobretudo para onde a UE tem interesses econômicos e de segurança", ou seja, os vizinhos no Leste Europeu e no sudeste mediterrâneo da Europa, afirmam Hermle, da Venro, e Thomas Lawo, secretário-geral da Eadi (Associação Européia de Institutos de Pesquisa do Desenvolvimento).

Para onde vai o dinheiro

Alexander Baum, da Comissão de Orçamento e Planejamento Estratégico da Comissão Européia, confirma que, desde os anos 90, há um incremento nos recursos destinados pela UE e seus membros para os países vizinhos, em especial para a região dos Bálcãs (ex-Iugoslávia) e a antiga União Soviética, inclusive oito novos integrantes da comunidade européia.

Em contrapartida, a ajuda destinada à Ásia e à África vem caindo. Já a América Latina recebeu mais verbas na década de 90 do que na anterior, devido à entrada de Portugal e Espanha na UE, supõe Baum.

Allianzen gegen Armut Kinder in Ruanda Kigali

Crianças em Ruanda

Sem citar cifras, ele nega entretanto que a Comissão Européia em si venha sacrificando a África, continente com maior concentração de pobres. Segundo Baum, são os países-membros que têm de fato reduzido suas ajudas aos povos ao sul do Saara. O volume de recursos saídos dos cofres da UE em Bruxelas para a África permanece nominalmente quase constante, embora em termos percentuais haja uma queda. Para o cientista político Hermle, no entanto, se o orçamento da UE cresce, o combate à pobreza também deveria beneficiar-se disto e receber mais verbas.

Tropa de paz como ajuda ao desenvolvimento

O presidente da Venro e o secretário-geral da Eadi também reclamam de desvirtuamento do Fundo Europeu de Desenvolvimento. "Um exemplo atual é a destinação de seus recursos para o financiamento de tropas de paz na África", protestam. Mas "não há dúvida de que a política de paz européia e a política de combate à pobreza" estão interligadas, argumenta Alexander Baum, da Comissão de Orçamento e Planejamento Estratégico da Comissão Européia. A Alemanha teria sido o único país a contestar o "desvio", segundo Hermle.

O presidente da federação de ONGs diz ser legítima a preocupação da UE com segurança, assim como seus interesses no Leste Europeu, mas critica que estes prejudiquem a tradicional cooperação para o desenvolvimento. "A melhor política de segurança, e também mais em conta, é uma eficiente política orientada para o combate à pobreza", ressaltam Hermle e Lawo.

Incoerência no setor agrícola

E neste ponto ambos clamam por coerência. "Desde o Tratado de Maastricht este princípio está ancorado nos acordos da UE", mas até agora não passa de "boa intenção". Como exemplo, citam: "A UE e seus membros ainda investem dez vezes mais no apoio a sua agricultura do que em cooperação para o desenvolvimento." Ou seja, a ajuda aos camponeses africanos acaba neutralizada pelo protecionismo e pelas subvenções à agricultura na Europa.

Chinas Currency

China, exemplo de combate à pobreza

Alexander Baum admite o nó. "O Tratado de Maastricht foi muito ambicioso", e as políticas setoriais da UE apresentam realmente muitas contradições, diz o integrante da Comissão de Orçamento da UE. Baum diz que se tenta resolver os conflitos politicamente.

Polêmica sobre causa da pobreza

Em debate promovido pela Venro e a Eadi em Bonn na última quinta-feira (29), ficou claro que entre as diferentes correntes políticas existem divergências na análise das causas da miséria mundial e como combatê-las.

Enquanto Frithjof Schmidt, do Partido Verde, aponta a pobreza como herança do colonialismo europeu – e portanto, a Europa teria obrigação de ajudar –, Martin Wilde, da União Democrata Cristã (CDU), responsabiliza as elites nacionais e a corrupção.

Segundo Schmidt, também não se trata de ajudar por questão de caridade, mas de necessidade da própria Europa para sua sobrevivência de que os países pobres se desenvolvam.

Condição: democracia e direitos humanos?

Também a democracia e o respeito aos direitos humanos como critérios para a concessão de verbas de ajuda ao desenvolvimento foram polêmicos. O conservador Wilde lembrou que a Europa está interessada agora no combate à pobreza no mundo árabe para reduzir o número de seguidores potenciais de Bin Laden, sem porém contestar a estrutura sociopolítica nesses países. Como exemplo, citou a Arábia Saudita, onde mulheres não podem sequer tirar carteira de motorista.

Já Michael Dauderstädt, da Fundação Friedrich Ebert, de cunho social-democrata, surpreendeu a platéia ao referir-se à China como o país que mais tem obtido êxito na luta contra a pobreza, apesar de lá não haver democracia. Joachim Lindau, da ONG evangélica Pão para o Mundo (Brot für die Welt), igualmente questiona o boicote a países não democráticos. "Não se consegue combater a pobreza de forma duradoura quando se pune a população por seu governo, de cuja escolha raramente participam", argumenta.

Leia mais