Novo presidente da Ucrânia deve aproximar país da Europa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 09.02.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Novo presidente da Ucrânia deve aproximar país da Europa

Para especialista, vencedor das eleições presidenciais, Viktor Yanukovich, não é tão pró-Rússia como se supõe. Mas entrada para União Europeia não deve acontecer tão cedo.

default

Manifestação a favor de Viktor Yanukovich

Viktor Yanukovich, um político pró-Russia, e Julia Timoshenko, com perfil pró-ocidental: assim são identificados, há anos, os candidatos que disputaram a presidência na Ucrânia. Na opinião de Amanda Paul, especialista em Ucrânia do Centro de Política Europeia, essa maneira de ver os dois políticos pode estar um pouco destorcida.

"Sobre a relação com a União Europeia (UE), quase não há diferença entre ambos. Os dois procuram balancear a relação tanto com a UE como com a Rússia. E Yanukovich mudou muito. Atualmente, os homens do Kremlin não estão mais tão próximos a ele como antes. Eu não o identifico mais como um homem do Kremlin", avalia Paul.

A avaliação vale também para a política energética – área de especial interesse da UE. Os países do bloco já sofreram diversas vezes por causa de desentendimentos entre Ucrânia e Rússia, especialmente no último inverno. Na opinião de Amanda Paul, a política energética entre Rússia e Ucrânia não ficará mais fácil.

Longe da Otan

Já a questão que envolve alianças militares deve ser mais amena nesse governo. Viktor Yushchenko, o vencedor da Revolução Laranja, havia defendido a entrada da Ucrânia não apenas na União Europeia, mas também na Otan, no que recebeu forte apoio do então presidente norte-americano George Bush. Mas muitos países da Otan foram contra a filiação da Ucrânia ao bloco e, desde que Barack Obama assumiu o governo norte-americano, o assunto não voltou à tona.

"Já se sabe que Yanukovich nunca defendeu a entrada na Otan e essa posição deve continuar. Isso não deve gerar problemas porque o país também não está interessado na admissão. O que pode ser positivo: Yushchenko conduziu a admissão de uma maneira muito ofensiva, e agora o assunto é tratado de forma mais lenta, já que a Ucrânia deve de qualquer maneira continuar colaborando com a Otan, mas de forma mais pragmática", avalia Amanda Paul.

Russland Ukraine Energie Gas Pumpstation bei Kursk

União Europeia consome gás vindo da Ucrânia

Aproximação com a União Europeia

A Ucrânia já trabalha em vários campos em cooperação com a União Europeia. O país está no alcance da chamada política de vizinhança da UE – sob responsabilidade da até então comissária europeia Benita Ferrero-Waldner. "A candidatura à UE não está em debate. Ao mesmo tempo, posso dizer que o futuro ainda é incerto. Mas, no momento, não há uma perspectiva clara de entrada", declara Ferrero-Waldner.

Mas quão aberto é o futuro sob a presidência de Viktor Yanukovich? A maioria dos ucranianos quer o país no bloco ou esse é o projeto apenas da pequena elite?

Para Amanda Paul, a população gostaria da integração na Europa Ocidental, assim como a entrada na União Europeia – e as pessoas gostariam de saber que a UE tem uma perspectiva de curto prazo de incluir a Ucrânia no bloco.

Paul, no entanto, não prevê prazos para essa aproximação se efetivar. "Teremos que aguardar para ver se isso vai acontecer, porque, para a maioria dos países da UE, a Rússia tem prioridade. Mas, se a Ucrânia implementar reformas e alcançar verdadeiramente uma estabilidade política e econômica, algum dia a UE vai se perguntar: Podemos ou não dar essa perspectiva agora à Ucrânia?"

Fato é que, se o presidente implantar as reformas com sucesso, há a possibilidade de essa pergunta ser feita mais cedo do que o pretendido por Yanukovich.

Autor: Christoph Hasselbach (np)

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais