Novo plano de reestruturação da ThyssenKrupp afeta unidades no Brasil | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 06.05.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Novo plano de reestruturação da ThyssenKrupp afeta unidades no Brasil

Para aliviar sua dívida de 5,8 bilhões de euros, grupo alemão anuncia que venderá subsidiárias. No Brasil, a Automotive Systems está na lista. Mais de 35 mil funcionários em todo o mundo serão atingidos pelas mudanças.

default

Sede da ThyssenKrupp na Alemanha

A gigante alemã ThyssenKrupp está se preparando para enfrentar grandes mudanças. Três meses depois de ter assumido a presidência da empresa altamente endividada, Heinrich Hiesinger apresentou nesta sexta-feira (05/05) como planeja sua reestruturação estratégica.

Nos planos, estão a venda e junção de subsidiárias responsáveis pelo faturamento de 10 bilhões de euros e que ocupam 35 mil funcionários em todo o mundo. Segundo a nota divulgada pelo grupo, a "ThyssenKrupp quer focar seu portfólio e descartar atividades empresariais visando opções estratégicas alternativas mais apropriadas, com a intenção de fortalecer sua base financeira e ganhar flexibilidade para se expandir estrategicamente em atividades promissoras."

As medidas devem ajudar a companhia a reduzir sua dívida de 5,8 bilhões de euros, uma das prioridades declaradas por Hiesinger desde que assumiu o posto. Os altos investimentos na nova unidade siderúrgica no Brasil, no Rio de Janeiro, e nos Estados Unidos elevaram ainda mais o débito do grupo.

Bucht von Sepetiba Brasilien Rio de Janeiro ThyssenKrupp

Siderúrgica no Brasil é o maior investimento do grupo

O que mudará

A ThyssenKrupp Automotive Systems do Brasil, que emprega 3 mil pessoas, será vendida pelo grupo. Essa subdivisão da empresa alemã atua no Brasil desde 1997, com unidades em São Bernardo do Campo (SP), Ibirité (MG) e Camaçari (BA).
Também as unidades de Waupaca, nos Estados Unidos, serão colocadas à venda. Juntas, as subsidiárias lideram o mercado de ferro-gusa naquele país, empregam 3 mil pessoas e faturam anualmente 900 milhões de euros.

O grupo também irá se desfazer da ThyssenKrupp Tailored Blanks, focada na fabricação de chassis para a indústria automotiva, com um movimento de 600 milhões de euros e 900 funcionários. Por outro lado, a Bilstein Group e Presta Steering, também do ramo de chassis, passarão a atuar juntas, passando a ter um faturamento de 2,2 bilhões de euros e aproximadamente 6, 5 mil funcionários.

As atividades da Business Area Stainless Global serão separadas do ThyssenKrupp, mas ainda não está claro como será a atuação desse segmento. Segundo a empresa, essa divisão fará com que Stainless Global se dedique ao mercado europeu de forma independente e com maior flexibilidade.

Dos 35 mil funcionários que serão atingidos, aproximadamente 14 mil trabalham em unidades na Alemanha. A ThyssenKrupp emprega 177 mil pessoas em 80 países, e no ano fiscal de 2009/2010 contabilizou mais de 42 bilhões de euros em vendas.
As decisões da presidência serão avaliadas pelo Conselho de Administração no próximo dia 13 de maio.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais