1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Novo governo grego terá que buscar consenso com credores

Apesar da campanha eleitoral agressiva, primeiro-ministro Alexis Tsipras depende da ajuda da UE e do FMI para cumprir promessas. Por isso, economistas apostam que Atenas acabará chegando a acordo sobre dívidas.

Os mercados europeus

reagiram

com tranquilidade à vitória eleitoral do Syriza na Grécia. O partido esquerdista, que alcançou quase maioria absoluta no pleito legislativo, formou governo com o populista de direita Gregos Independentes e conseguiu a nomeação de seu líder,

Alexis Tsipras

, como primeiro-ministro.

Porém, apesar das palavras fortes da campanha eleitoral, provavelmente Atenas acabará por entrar em acordo com o bloco europeu, até por lhe faltar dinheiro para os primeiros programas sociais planejados.

Logo após a vitória nas urnas, o Syriza anunciou que lançaria um programa social. Além de ajudar as famílias a pagarem seus gastos de energia e aluguel e elevar o salário mínimo, o objetivo é evitar o leilão compulsório de imóveis para os gregos incapazes de pagar suas hipotecas. As privatizações de empresas deverão ser igualmente suspensas.

"O novo governo logo terá que encarar a realidade", prevê Jörg Krämer, economista-chefe do Commerzbank, em entrevista à DW.

Segundo ele, todas essas medidas custam dinheiro, e os cofres de Atenas estão praticamente vazios: muitos contribuintes gregos deixaram de pagar suas dívidas com o fisco antes da eleição.

"Segundo declarações não oficiais do Ministério das Finanças, em janeiro as arrecadações deverão ficar 1 bilhão de euros atrás da previsão orçamentária", afirma Krämer.

Assim, espera o economista, será difícil para Atenas saldar os juros e amortizações relativas ao primeiro trimestre, que alcançam os 4,5 bilhões de euros.

Especialistas alertam que, sem capital novo, o Estado deverá estar insolvente o mais tardar em meados do ano, quando estão previstos grandes pagamentos de dívidas. Em julho, Atenas tem que restituir 3,5 bilhões de euros a seus credores, e em agosto, 3 bilhões de euros.

"Está claro que a Grécia continua dependendo do apoio de um programa de resgate. E isso significa também, óbvio, que só pode haver tal programa se os acertos forem respeitados", diz o presidente do Bundesbank (banco central alemão), Jens Weidmann, em entrevista à ARD.

Tsipras Griechenland Premierminister 26.01.2015 Athen

Alexis Tsipras: Tsipras sob peso das promessas eleitoreiras

Perdas de ambos os lados

À primeira vista, a posição de um governo encabeçado pelo esquerdista Syriza e a dos demais países da zona do euro parecem bem distantes entre si.

"Não é de descartar que um dos lados superestime suas chances no pôquer, levando ao fracasso das negociações dos próximos meses", adverte Krämer. "Até porque o Syriza subestima o fato de que uma saída da Grécia não desestabilizaria a União Monetária como um todo."

Ainda assim, é quase ponto pacífico entre os economistas que, após negociações a Grécia, e os países doadores devem chegar a um consenso, evitando a saída da zona euro. Pois isso acarretaria a falência estatal, com consequente acorrida aos bancos e caos econômico. Além disso, Atenas perderia as verbas do fundo estrutural da União Europeia, que ultrapassaram os 5 bilhões de euros em 2014.

Por outro lado, os países doadores também devem se mostrar dispostos a um consenso, avalia Krämer: "Caso contrário, eles terão que explicar a seus eleitores que os créditos de ajuda para a Grécia estão perdidos – ao contrário do que sempre se afirmou."

Saída do euro arriscada

Ao todo, a Grécia deve cerca de 250 bilhões de euros aos Estados doadores. Os créditos bilaterais concedidos por países isolados alcançam os 53 bilhões de euros; o Fundo Monetário Internacional (FMI) emprestou 35 bilhões de euros; o Banco Central Europeu (BCE) possui títulos soberanos gregos num valor estimado de 20 bilhões de euros.

Assistir ao vídeo 01:49

Extrema-esquerda vence na Grécia e promete mudar rumos da economia

"Um acerto possível seria manterem-se as dívidas no papel, mas distribuindo melhor a carga do débito", propõe Krämer. Assim, explica, se poderiam estender os prazos de restituição, reduzir os juros e estabelecer períodos mais longos livres de amortização.

O economista Thomas Straubhaar, da Universidade de Hamburgo, também crê num consenso final entre Atenas e os países a que deve. Afinal, o passado provou que, sozinha, uma política de austeridade rigorosa não é a saída para a crise grega.

"Nas novas negociações, é preciso fazer as duas coisas: poupar, mas também crescer. Somente com uma política financeira e fiscal comum se alcançará uma solução duradoura", avalia o economista.

O economista Michael Hüther, diretor do instituto alemão IW, mostra-se menos flexível. Ele insiste numa "aresta clara", ou seja, um curso consequente diante das nações da União Europeia em crise e não dispostas a reformas.

"A linha definida deve ser mantida, mesmo que isso resulte em o país ter que abandonar da União Monetária Europeia", opina.

No entanto, também caberia à política europeia definir claramente o procedimento legal para uma saída da zona do euro – naturalmente como recurso extremo –, a fim de amenizar ao menos um pouco as graves consequências econômicas.

"A falta de uma regulamentação legal no momento forçaria uma saída desordenada e, portanto, extremamente danosa", adverte o diretor do IW.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados