Novo filme sobre o Barão Vermelho estréia nos cinemas alemães | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 25.03.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Novo filme sobre o Barão Vermelho estréia nos cinemas alemães

Película alemã falada em inglês mostra Manfred von Richthofen, mais conhecido como o Barão Vermelho, como um dos heróis alemães da Primeira Guerra. Num país de poucos ídolos, isto é, no mínimo, uma sensação.

default

Matthias Schweighöfer teve que vencer medo de voar para fazer papel do Barão Vermelho

Conhecido como o Barão Vermelho pela cor do avião que pilotava, o barão prussiano Manfred von Richthofen deixou, antes de ser abatido em 21 de abril de 1918, um profícuo balanço de guerra: venceu 80 batalhas aéreas e matou 75 pilotos inimigos em 20 meses.

A recente biografia do Barão Vermelho escrita pelo historiador Joachim Castan também narra um episódio em que o barão pára de atirar contra um piloto inglês com problemas de munição. No solo, o barão cumprimenta o major inglês pela bela luta, aperta-lhe a mão e lhe oferece um cigarro.

Já um mito quando vivo, o Barão Vermelho ficou para a história como um misto de cavalheiro honrado e assassino sangrento. Noventa anos após sua morte, estréia, em 10 de abril próximo, o filme O Barão Vermelho, dirigido por Nikolai Müllerschön, que optou por mostrar um Von Richthofen mais humano, transformando-o assim num dos primeiros heróis alemães de guerra.

No papel do barão está Matthias Schweighöfer, ganhador do prêmio Bambi 2007, o Oscar do cinema alemão, na categoria filme nacional. Para o papel, Schweighöfer teve que vencer, primeiramente, seu medo de voar através de uma terapia, afirmou.

Tímido e cheio de questionamentos

Nachbau des roten Fokker-Dreideckers des Roten Barons

Barão ficou conhecido pela cor do avião que pilotava

Baseada no livro do historiador Joachim Castan O Barão Vermelho. A história completa de Manfred von Richthofen, lançado no final do ano passado, a produção alemã falada em inglês sobre o corajoso barão prussiano da Primeira Guerra custou 18 milhões de euros – uma superprodução para o cinema alemão.

Atrás da fachada narcisista, a biografia de Castan mostra um Von Richthofen tímido e cheio de questionamentos. O livro também questiona a relação entre guerra e heroísmo.

Sem glorificar a guerra, tanto o livro quanto o filme apresentam um Barão Vermelho mais humano, mais próximo da fama de herói – algo bastante incomum num país de poucas declarações patrióticas como a Alemanha.

"Houve muita relutância histórica e há muitas vozes na Alemanha que ainda dizem que não se deve fazer um filme sobre um herói alemão", afirmou o roteirista e diretor do filme Nikolai Müllerschön, acrescendo que o filme faz uma clara crítica à guerra.

Crescente interesse sobre temas de guerra

Manfred von Richthofen

Barão Vermelho: assassino ou herói?

Em seu avião Fokker DR 1, o Barão Vermelho descobriu que a guerra não é um jogo e que o desejo de uma luta honrada pouco tem a ver com a obrigação de matar o maior número possível de inimigos. Foi assim também que o barão perdeu a vida, poucas semanas antes do fim da Primeira Guerra.

O filme apresenta um herói sensível que se conscientiza da brutalidade da guerra através do amor pela enfermeira Käte, protagonizada pela atriz britânica Lena Headey. O Barão Vermelho traz ainda, como atores coadjuvantes, o alemão Til Schweiger e o inglês Joseph Fiennes.

Assim como A Queda, produção que conta os últimos dias de Hitler, e o recente filme de Tom Cruise sobre a vida de Claus von Stauffenberg, que planejou o atentado contra o ditador, a atual película faz parte de uma série de recentes filmes alemães que denunciam o crescente interesse do país sobre temas de guerra.

Leia mais