1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2014

Novo Congresso exige mudanças na forma de governar de Dilma

Mesmo com maioria, presidente teve poucos avanços em propostas importantes na Câmara e no Senado no primeiro mandato. Agora, terá que abrir negociações mais ativas com parlamentares, algo que não fez em quatro anos.

Tão difícil como foi a reeleição será a missão da presidente Dilma Rousseff de formar uma coalizão forte no novo Congresso. Os partidos aliados têm maioria na Câmara e no Senado, mas a presidente terá que superar impasses entre parlamentares, divididos em temas-chave, para aprovar reformas como a política ou a tributária.

"Vamos ter que ter um aprendizado de convivência com o Congresso Nacional, que vai ser agora cada vez mais difícil. Não é fácil o jogo de montar uma coalizão de 28 partidos", reconheceu o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Como fator agravante, Dilma mostrou em seu primeiro mandato que a habilidade de articulação política não é um dos seus fortes.

"O maior desafio da Dilma é se reinventar como líder de uma equipe capaz de fazer uma articulação. Mas ela está consciente disso, seja pelo resultado da eleição apertada ou por preferir deixar o legado de um bom governo ao sair do poder depois de dois mandatos", afirma o cientista político Aninho Irachande, da UnB.

Pelo menos em seu primeiro discurso após a vitória, porém, a presidente deu sinais de estar aberta a mudanças.

"Democracia madura e união não significam necessariamente unidade de ideias, nem ação monolítica conjunta, mas, em primeiro lugar, disposição para o diálogo. Esta presidente aqui está disposta ao diálogo", declarou.

Maioria dividida

A eleição deixou o Congresso mais fragmentado, porém com poucas mudanças na atual correlação de forças.

Se todas as alianças estabelecidas antes das eleições forem mantidas, a bancada governista na Câmara será de 304 das 513 cadeiras – atualmente ela é de 339. No Senado, a base aliada do PT elegeu um senador a mais que os 52 atuais – o total na Casa é de 81 assentos.

Além disso, o PT é o partido mais representado na Câmara, com 70 cadeiras, seguido pelo PMDB (66). No Senado, o PMDB é a maior legenda, com 18 senadores, seguido pelo PT, que tem 12. No entanto, mesmo formando a maioria, a base aliada diverge em relação a determinados temas.

"Em termos formais, o Congresso ficou praticamente do mesmo tamanho, mas com uma cara muito menos sorridente. O Senado ficou fortalecido do lado da oposição, e a Câmara, composta por uma maioria bastante frouxa, que vai negociar ponto a ponto as propostas", diz o sociólogo Valeriano Mendes Costa, da Unicamp.

Para o cientista político Rodrigo Stumpf González, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, compor a base aliada não será o maior problema de Dilma, mas sim estruturar um apoio sólido que não dependa de negociações a cada nova proposta, como acontece no atual mandato.

"Entre os presidentes dos últimos 20 anos, a Dilma foi aquela que teve em tese a base de apoio mais ampla do Congresso, porém, com uma enorme dificuldade de apoio para propostas. Pois partidos como o PMDB não votam em bloco", afirma González.

Maior resistência

Para a aprovação de uma lei comum são necessários 129 votos a favor na Câmara e 21 no Senado; para uma lei complementar, 257 e 41; e para uma emenda constitucional, 308 e 49.

González acredita que, por ser o último mandato, Dilma deve tentar conseguir uma base menor, mas que garanta a aprovação de propostas controversas, como as reformas política e tributária.

Costa, por sua vez, espera que o Congresso tenha uma postura mais resistente a Dilma. E segundo ele, a presidente reeleita terá, em seu segundo mandato, que fazer o que não fez no primeiro para superar esse obstáculo.

"Dilma deve tentar mudar essa postura do Congresso, negociando com mercado e políticos. Além de precisar de muito apoio dos novos ministros e um novo estilo de governar, recebendo deputados e senadores para tentar negociar e conversar com a base, como não fez antes", opina o sociólogo da Unicamp.

Leia mais