1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Nova lei afeta autonomia da corte constitucional da Polônia

Parlamento dominado pelo partido governista PiS aprova legislação que, segundo críticos, ataca a independência e emperra o funcionamento do tribunal constitucional.

O parlamento da Polônia aprovou nesta terça-feira (23/12) uma controversa legislação que regulamenta o funcionamento do tribunal constitucional do país. A oposição afirma que as novas regras são uma tentativa de neutralizar a corte, um dos poucos organismos que ainda podem controlar o enorme poder do governista Partido da Justiça (PiS).

A legislação foi facilmente aprovada, com 235 votos a favor e 181 contra, devido à maioria parlamentar que o PiS detém na câmara baixa. A aprovação na câmara alta, onde o partido também tem maioria, deverá igualmente ser rápida. O presidente Andrzej Duda, que apoia o governo, também deverá dar o seu aval.

Pela nova lei, decisões do tribunal necessitam de uma maioria de dois terços, contrariando a regra anterior de maioria simples. Segundo críticos, é praticamente impossível que questões controversas obtenham uma maioria de dois terços, o que impediria o tribunal de barrar leis polêmicas.

Outra mudança determina que os casos sejam analisados por 13 dos 15 magistrados da corte, em vez de apenas cinco para casos mais simples e nove para os demais. Críticos afirmam que, assim, a corte poderá se ocupar de menos casos, o que emperra o andamento da Justiça.

A lei prevê também um prazo obrigatório de três a seis meses, desde a entrada de uma ação na corte até o veredicto. O prazo anterior era de duas semanas.

A aprovação da nova legislação sobre o funcionamento do tribunal constitucional é mais um round na batalha entre o PiS e a corte, que se iniciou logo depois de o partido conservador chegar ao poder, em outubro.

Pouco depois de sua vitória eleitoral, o PiS, com base numa nova lei aprovada pelos parlamentares do partido, indicou cinco juízes para o tribunal constitucional, se recusando a reconhecer nomeações anteriores feitas pelo Parlamento, quando o partido liberal Plataforma Cívica (PO) estava no poder. Mais tarde, o próprio tribunal declarou a lei inconstitucional. Os juízes, porém, já haviam sido empossados no cargo pelo presidente do país.

Agora, a nova legislação poderá obrigar o presidente do tribunal constitucional, Andrzej Rzeplinski, a aceitar os cinco juízes escolhidos pelo parlamento controlado pelo PiS. Do contrário, a corte não terá quórum para legislar, pois cada caso necessita ser analisado por 13 magistrados.

Rzeplinski afirmou à mídia polonesa, no início de dezembro, que os juízes escolhidos pelo PiS estão empossados, mas não vão julgar nem deliberar até o imbróglio ser esclarecido.

As funções e prerrogativas do tribunal constitucional são definidas pela Constituição, que o PiS não tem poder para alterar, mas os detalhes de funcionamento e organização do tribunal são determinados em lei separada.

Críticos afirmam que as novas medidas praticamente eliminam a autonomia da corte máxima da Polônia. O próprio tribunal afirma que a nova legislação interfere na sua independência, contraria a ideia de um tribunal constitucional num regime democrático e visa emperrar o funcionamento da corte.

No fim de semana, milhares de pessoas saíram às ruas em Varsóvia e outras cidades do país para

protestar contra o governo conservador, acusando-o de atacar a democracia

.

Os críticos do novo governo o acusam de arquitetar um golpe de Estado, termo também utilizado pelo presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, para descrever a situação política no país. A primeira-ministra polonesa, Beata Szydlo, chegou a exigir que Schulz se desculpasse pela declaração.

RC/ap/dpa/afp/rtr

Leia mais