1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Nova coalizão reajusta política externa alemã

Alemanha quer estreitar laços com os EUA, sem abalar a soberania européia. UE e Otan são bases da política de defesa e segurança. Adesão da Turquia permanece aberta e América Latina mal é mencionada.

default

Delegados da CDU aprovam programa conjunto de governo em Berlim

O programa conjunto de governo da nova coalizão alemã passou nesta segunda-feira (14/11) pelo crivo dos dois maiores partidos alemães. A União Democrata Cristã (CDU) da futura chanceler federal Angela Merkel o aprovou com grande maioria em sua convenção partidária em Berlim: apenas três votos contra e uma abstenção, de um total de 116 delegados.

Na convenção do Partido Social Democrata (SPD), em Karlsruhe, o documento também passou com grande maioria: entre 518 delegados houve apenas 15 votos contra e cinco abstenções. Em Munique, os cerca de 200 delegados da União Social Cristã (CSU) votaram unanimemente, sem abstenções.

No que diz respeito às diretrizes para a futura política externa da Alemanha, houve como que um acerto de contas entre social-democratas e a bancada conservadora da futura chanceler federal Angela Merkel. Neste capítulo do programa, buscaram-se compromissos em quase todas as questões que por um longo tempo acirraram as diferenças entre as duas facções durante o governo de Gerhard Schröder.

Parceiros, mas soberanos

Gerhard Schröder bei George Bush

George W. Bush (d) e Gerhard Schröder

Um dos temas centrais é o resgate das relações com os Estados Unidos, abaladas em virtude da oposição de Schröder à invasão estadunidense no Iraque, com o apoio da França e da Rússia. Objetivo é "uma Europa autoconfiante, que se entende não por contrapeso, mas por parceira dos Estados Unidos", consta do documento.

A Alemanha deverá estreitar os laços transatlânticos especialmente na manutenção de um relacionamento próspero com o mundo islâmico, na luta pela paz e a estabilidade no Oriente Médio, contra a fome e o terrorismo, e em questões de segurança. Para tanto, até mesmo a participação das Forças Armadas alemãs será "levada em consideração".

Ao mesmo tempo, o documento de 15 páginas assegura o comprometimento alemão com a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) – "o principal pilar de nossa política de defesa e segurança" –, bem como com a política de defesa e segurança da União Européia.

Estabilidade perante a UE

Quanto à questão européia, CDU, CSU e SPD concordaram que a contribuição da Alemanha para o financiamento do orçamento da União Européia não ultrapassará 1% do PIB. Em contrapartida, a Alemanha se compromete a estabilizar suas finanças e respeitar o Pacto de Estabilidade do bloco, voltando a conter,a partir de 2007, o déficit orçamentário abaixo do limite estabelecido de 3% do PIB. Além disso, o documento inclui uma confirmação do programa europeu de subsídios agrários.

EU Verfassung Volksabstimmung im Frankreich Demonstration

Protesto contra a Constituição Européia em Anglet, no sudoeste da França, em maio de 2005

A grande coalizão confirmou também seu compromisso com o projeto da Constituição Européia, estacionado após as derrotas nos plebiscitos na França e na Holanda. O processo de ratificação nos países onde isso ainda não ocorreu deverá continuar na primeira metade de 2006, ganhando força quando a Alemanha assumir a presidência do Conselho Europeu no primeiro semestre de 2007.

Além disso, o governo continuará salientando a urgente necessidade de reformas na Organização das Nações Unidas: "A Alemanha continua disposta a assumir maiores responsabilidades ao receber uma vaga permanente no Conselho de Segurança, embora no futuro almeje uma vaga única para a União Européia".

Turquia ainda é pedra no sapato

Bildergalerie Angela Merkel Zusatzbild

Merkel e o primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan (d)

Já o ingresso da Turquia na União Européia exigiu uma enorme habilidade lingüística dos partidos da coalizão, que, segundo o jornal International Herald Tribune, "concordaram em discordar". O processo de admissão da Turquia na UE, que teve início com a tomada das negociações em 3 de outubro último, foi descrito no papel como um desenvolvimento de final aberto.

Mesmo que conste do documento a possibilidade da admissão integral da Turquia no bloco, isso não se dará de forma nem automática, nem garantida. Para o caso negativo, a nova coalizão encontrou uma saída pela tangente: "Caso a Europa não esteja em condições de se expandir, ou a Turquia não esteja pronta para cumprir todas as condições impostas, ela deverá ser incorporada da melhor forma possível às estruturas européias, de modo a desenvolver sua relação privilegiada com a UE".

Não só a Rússia

Embora mantendo a parceria estratégica de laços estreitos que Schröder cultivou com a Rússia, o novo governo pretende acirrar suas cobranças ao vizinho, principalmente no que diz respeito aos conflitos na Chechênia e ao desenvolvimento da democracia, do Estado de direito e dos direitos humanos no país.

Gipfel von Frankreich Russland und Deutschland in Sotschi

Jacques Chirac (e), Vladimir Putin e Gerhard Schröder (d)

A tríplice aliança Alemanha-França-Rússia continuará desempenhando um papel central, embora ajustando sua atenção para outras nações do bloco, ao mesmo tempo que observando os interesses dos demais países do Leste Europeu.

Combate à pobreza mundial

Outro ponto-chave é a continuidade da ajuda a países em desenvolvimento e a implantação de medidas para a redução da pobreza com base nas Metas do Milênio da ONU.

A decisão do atual governo de elevar a contribuição financeira para projetos de auxílio a países em desenvolvimento a pelo menos 0,51% do PIB até 2010 foi mantida no novo programa. Além disso, a Alemanha pretende estabelecer "parcerias estratégicas com importantes países emergentes", embora o documento não cite detalhes.

Leia mais