1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

Nobel de Química vai para microscopia de alta resolução

Alemão Stefan Hell e americanos Eric Betzig e William Moerner desenvolveram método que ampliou capacidade de observação dos microscópios óticos. Trabalho pioneiro levou microscopia à nanodimensão, destaca comitê.

O Prêmio Nobel de Química deste ano vai para um trio de cientistas que criou um inovador método de microscopia, anunciou nesta quarta-feira (08/10) a Real Academia Sueca de Ciências, em Estocolmo. O alemão Stefan Hell e os americanos Eric Betzig e William Moerner foram homenageados pelo desenvolvimento da microscopia de fluorescência em alta resolução.

"Por um longo tempo, a microscopia ótica foi paralisada por uma suposta limitação: de que ela nunca poderia ter uma resolução melhor do que o comprimento de onda da luz", afirmou o comitê da premiação. "Com a ajuda de moléculas fluorescentes, os ganhadores do Prêmio Nobel de Química de 2014 superaram isso de forma genial. Seus trabalhos pioneiros levaram a microscopia ótica à nanodimensão", acrescentou.

Nobelpreis 2014 Chemie Eric Betzig Stefan Hell William Moerner

Da esquerda para a direita: Eric Betzig, Stefan Hell e William Moerner

Hell, de 51 anos, é diretor no Instituto Max Planck para Química Biofísica, em Göttingen, na Alemanha. Betzig, de 54 anos, trabalha no Howard Hughes Medical Institute, no estado americano de Virgínia, e Moerner, de 61 anos, é professor da Universidade de Stanford, na Califórnia.

O prêmio, no valor de oito milhões de coroas suecas (cerca de 1,1 milhão de dólares), será entregue no dia 10 de dezembro, dia da morte de Alfred Nobel, fundador da premiação.

No ano passado, três químicos moleculares que atuam nos Estados Unidos – Martin Karplus, Michael Levitt e Arieh Warshel – receberam o Nobel de Química pelo desenvolvimento de modelos de computador para prever processos químicos.

O Nobel de Física deste ano foi para o trio de pesquisadores do Japão e dos EUA pelo desenvolvimento do diodo de luz azul, que permitiu obter uma fonte econômica de luz branca e contribuiu para reduzir consumo mundial de energia.

Já o Nobel de Medicina de 2014 foi para três pesquisadores dos EUA e da Noruega, pelos seus trabalhos sobre o sentido de orientação humano. Eles identificaram um sistema que atua como uma espécie de "GPS do cérebro".

MD/afp/dpa/ap

Leia mais