Nobel da Paz não obtém maioria absoluta e vai a segundo turno na Libéria | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 17.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Nobel da Paz não obtém maioria absoluta e vai a segundo turno na Libéria

As eleições presidenciais na Libéria não correram bem nem para a atual chefe de Estado, Ellen Johnson-Sirleaf, nem para a oposição. A disputa será travada agora no segundo turno. A oposição pressente sua chance.

Winston Tubman e Ellen Johnson-Sirleaf disputam segundo turno na Libéria

Tubman e Johnson-Sirleaf disputam segundo turno

Os aliados da oposição na Libéria estão irritados. Desde as eleições presidenciais, em 11 de outubro, eles temem que seus votos tenham sido falsificados.

O dia das eleições correu de forma pacífica e justa no país de cerca de quatro milhões de habitantes, segundo avaliação de todos os observadores internacionais do pleito. A trapaça teria acontecido mais tarde – durante a contagem dos votos.

"Eu tenho fotos que comprovam que autoridades eleitorais romperam o lacre", acusa Mulbah Morlu.

Sem maioria absoluta

Mulbah Morlu faz parte do conselho do maior partido de oposição na Libéria, o Congresso para a Mudança Democrática. Desde domingo, ele trabalha com os sete partidos restantes da oposição, que se uniram depois da suposta manipulação.

Liberia Wahlen in Monrovia

Segundo observadores, votação foi pacífica e justa

De qualquer maneira, está fora de questão pedir a recontagem de votos, já que os resultados preliminares são bons, especialmente para o Congresso para a Mudança Democrática. Embora nem todos os distritos tenham sido apurados, o Partido da Unidade, da atual presidente, tem 44% dos votos, segundo as primeiras projeções, enquanto o Congresso para a Mudança Democrática tem 32,2%.

Assim, o candidato Winston Tubman prepara-se para o segundo turno. "Agora nós somos um grupo grande e podemos representar a oposição muito melhor", celebra.

Tubman não inspira eleitores

Ainda que concorra como principal candidato, Tubman não é considerado alguém capaz de mover as massas. Durante a campanha eleitoral, ele muitas vezes se portou de forma tranquila demais, além de dar mais espaço ao candidato à vice-presidência, George Weah.

Weah, ex-jogador de futebol de fama internacional e perdedor nas eleições presidenciais de 2005, faz sucesso principalmente entre os jovens eleitores.

No entanto, para muitos, Tubman tem uma vantagem: ele nunca apoiou nenhuma das facções da guerra civil que se alastrou por seu país durante 14 anos. Em vez disso, ele trabalhou durante 20 anos nas Nações Unidas e passou a maior parte do tempo fora da Libéria.

Flash-Galerie Friedensmacher

Guerra civil na Libéria se alastrou pelo país de forma intermitente durante 14 anos

Laços com a guerra

É justamente a discussão sobre a guerra civil que pode enfraquecer a presidente Ellen Johnson-Sirleaf. Seus oponentes não se cansam de mencionar suas ligações com o ex-líder da guerra Charles Taylor. Ele a teria apoiado financeiramente durante anos.

Mesmo Prince Johnson, que ficou com o terceiro lugar na votação e está eliminado do segundo turno, põe o dedo na ferida. Para ele, é uma ironia que Johnson-Sirleaf tenha recebido, há poucos dias, o Prêmio Nobel da Paz. "Ela é uma grande fomentadora da guerra", brada Johnson. O prêmio teria sido concedido por motivos políticos, argumenta, pois segundo ele a comunidade internacional estaria torcendo pela reeleição da presidente.

O segundo turno das eleições na Libéria está marcado para o dia 8 de novembro. Prince Johnson também se prepara para esse dia. Ele próprio foi um senhor da guerra e ganhou notoriedade duvidosa há 21 anos ao cortar ambas as orelhas do ex-presidente liberiano Samuel Doe em frente às câmeras. 

Hoje, seu partido chama-se União Nacional pelo Processo Democrático, o qual, entretanto, não pertence à coalizão oposicionista de Tubman. "Agora eu sou um fazedor de reis", debocha, referindo-se ao fato de poder decidir a qual dos dois candidatos dará seu apoio.

Autora: Katrin Gänsler (ff)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais