1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

No Senado, Moro contesta projeto de abuso de autoridade

Em debate no plenário, juiz diz que momento é inadequado para alterar legislação vigente e que mudança poderia "tolher investigações". Renan Calheiros defende projeto e garante que Lava Jato é "sagrada".

Renan Calheiros e Sérgio Moro em debate no plenário do Senado, em Brasília

Renan Calheiros e Sérgio Moro debatem no plenário do Senado

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, participou nesta quinta-feira (1º/12) de um debate no plenário do Senado sobre o projeto de lei relativo ao abuso de autoridade que tramita na Casa. Para ele, este "talvez não seja o melhor momento" para a aprovação do texto, pois poderia "passar uma mensagem equivocada à sociedade brasileira".

A proposta em questão sugere o endurecimento das punições a juízes e integrantes do Ministério Público que abusem de sua autoridade e cometam algum tipo de excesso. Entre os motivos listados está a atuação com motivação político-partidária e, entre as ações, por exemplo, as prisões "fora de hipóteses legais", como presos que são algemados mesmo quando não há resistência à prisão.

A aprovação desse texto pode ser vista como uma tentativa de paralisar as investigações em curso, afirmou Moro. Segundo o juiz, é preciso considerar "o contexto de que existe uma investigação importante, não só a chamada Operação Lava Jato, mas várias outras investigações importantes".

"Independentemente da intenção dos senadores, uma nova lei de abuso de autoridade poderia ser interpretada no presente momento como tendo o efeito prático de tolher investigações e persecuções penais", disse ele, destacando que não tem intenção de censurar ou induzir a decisão ao Senado. "Faço essa sugestão com humildade", acrescentou o magistrado, sendo aplaudido no plenário.

Moro sugeriu incluir no projeto de lei o trecho de que "não configura crime previsto nesta lei a divergência na interpretação da lei penal ou processual penal, ou na avaliação de fatos e provas".

"Com essa salvaguarda, eu diria que grande parte dos receios de uma aplicação equivocada desse projeto de lei provavelmente possam ser evitados, inclusive o receio de que isso venha a ser utilizado para criminalizar a jurisdição ou a atuação independente do Ministério Público", disse o juiz.

Moro ainda criticou a votação na Câmara do projeto de lei com medidas contra a corrupção, na madrugada de quarta-feira, quando os deputados desfiguraram o espírito original do projeto. "Essas emendas da meia-noite, que não permitem uma avaliação por parte da sociedade, um debate mais aprofundado pelo parlamento, não são apropriadas tratando de temas assim tão sensíveis."

O Projeto de Lei 280/2016, que modifica o texto da atual Lei de Abuso de Autoridade (Lei 4.898/1965), foi apresentado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros, alvo de mais de dez inquéritos na Lava Jato. Segundo o peemedebista, a legislação está defasada e precisa de aprimoramentos. A expectativa é votar a matéria na Casa em 6 de dezembro.

Ao abrir o debate nesta quinta-feira, Renan defendeu seu projeto de alteração na lei, afirmando que o texto não busca "embaçar a Lava Jato" ou intimidar juízes e procuradores. "Considero a Lava Jato sagrada. Ela definiu alguns avanços civilizatórios e precisa ser estimulada para que possa colaborar com a diminuição da impunidade no Brasil, que é uma grande chaga", disse o senador.

EK/abr/efe/ots

Leia mais