1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

No Bundestag, Merkel ressalta bom desempenho da economia alemã

Em discurso no Parlamento, chanceler federal ressalta estabilidade financeira do país, que atua como "motor do crescimento da zona do euro e de toda a União Europeia".

Em discurso no Parlamento alemão nesta quarta-feira (25/06), a chanceler federal Angela Merkel destacou o papel central da Alemanha na Europa e fez projeções em relação à economia do país.

"A Alemanha continua sendo a âncora da estabilidade e o motor do crescimento da zona do euro e de toda a União Europeia", disse a chefe de governo, durante o debate sobre o orçamento geral do Estado de 2014.

De acordo com Merkel, a economia alemã ingressou em 2014 acelerada. O governo prevê um crescimento de 1,8% neste ano e de até 2% em 2015.

Ao mesmo tempo, a chanceler federal ressaltou que a crise da dívida do euro ainda não foi superada, e que uma série de riscos econômicos ainda estão em jogo. A economia alemã só irá bem a longo prazo "se a Europa também estiver bem", reforçou.

Merkel ainda afirmou que o endividamento líquido de 6,5 bilhões de euros no âmbito do orçamento da Alemanha deste ano é o menor em 40 anos. Em 2013, o valor havia sido de 22 bilhões de euros.

Pacto de estabilidade e crescimento

A líder alemã também se mostrou firme em sua posição contrária à flexibilização do pacto de estabilidade e crescimento da União Europeia (UE), como pedem alguns países, entre eles a França. "O pacto oferece excelentes condições para um maior crescimento e mais empregos", declarou.

Merkel insistiu que o pacto, que estabelece um teto de deficit de 3% do PIB e de dívida de 60% do PIB, não contém apenas "cercas de proteção e limites claros" como também dispõe de diversos instrumentos "flexíveis", que podem ser utilizados.

Durante sua fala no Parlamento, a chanceler também aproveitou para, mais uma vez, demonstrar apoio ao luxemburguês Jean-Claude Juncker para a presidência da Comissão Europeia, apesar da oposição de alguns membros da UE, liderados pelo Reino Unido.

BWS/afp/dpa

Leia mais