1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Copa do Mundo

Ninguém vem da Inglaterra para criar problemas, diz consultor

Chefe da polícia britânica que atua na Alemanha durante a Copa fala, em entrevista à DW-WORLD, sobre a segurança nos estádios e diz que o excesso de álcool está por trás das detenções de torcedores ingleses.

default

Para perito, consumo de álcool em excesso pelos ingleses é a causa dos tumultos

DW-WORLD: Qual a sua impressão da segurança dentro dos estádios da Copa?

Stephen Thomas: É absolutamente excelente. Os estádios que eu consegui visitar praticamente não têm policiais. Estamos vendo um trabalho muito bom dos voluntários e dos responsáveis por controlar toda a massa de torcedores.

E quanto à situação no lado de fora dos estádios nas cidades onde são realizados os jogos ?

Os problemas registrados aqui são os mesmos que verificamos na Inglaterra. Especialmente com torcedores ingleses e de alguns outros países. As pessoas ficam desesperadas para entrar nos estádios e tentam pular cercas ou se vestir como agentes de segurança e o que mais for possível.

Houve problemas com torcedores ingleses em Stuttgart e praticamente todos os detidos já foram soltos. O que o senhor está fazendo para o caso de situações semelhantes serem verificadas na partida Inglaterra e Portugal, em Gelsenkirchen?

Apenas alguns números para começar: em Frankfurt, havia 70 mil fãs ingleses e pouca confusão. Em Nurembergue, eram 50 mil e em Stuttgart, 65 mil. Nós proibimos 3700 pessoas de deixar o Reino Unido durante a Copa e está sendo feito um bom trabalho nos portos ingleses para a saída do país de alguém do qual suspeitamos que possa causar problemas na Alemanha. Não tivemos problemas relacionados ao comportamento de hooligans no país.

O que vimos, principalmente em Stuttgart, foi um grupo de homens que viajaram juntos e que beberam durante o dia inteiro. À medida em que ficaram muito bêbados, tarde da noite ou no início da manhã, aconteceram os problemas.

O senhor espera problemas à medida em que a Inglaterra avance caso os torcedores não saibam para qual cidade se dirigir com antecedência e reservar acomodações?

Em Gelsenkirchen há pouco conhecimento quanto a onde os torcedores vão montar base. É uma cidade razoavelmente pequena, mas nós temos nas proximidades Düsseldorf, Dortmund e Colônia, logo os fãs estarão espalhados até algumas horas antes do jogo.

Mas isso facilita ou dificulta o surgimento de problemas?

Dificulta para nós cobrirmos tudo, porque eles estão em áreas espalhadas. Mas ao mesmo tempo também é complicado para eles se reunierem.

Ninguém veio da Inglaterra nesses dias de Copa com a intenção de causar problema. O que verificamos é uma cultura juvenil, na qual as pessoas ficam bêbadas e agem de maneira estúpida e rude.

Quais são as diferenças entre Inglaterra e Alemanha para lidar com situações como essas?

O interessante para nós tem sido as diferenças no sistema legal alemão. Isto é notado, em particular, na resistência ao fechamento de bares. Na Inglaterra fazemos isso sem pensar ou questionar porque temos o poder da lei para agir de tal maneira.

As detenções preventivas da polícia alemã também chamam atenção. É um conceito estranho para nós porque não temos esse poder no Reino Unido. Logo, alguns dos fãs ingleses também não entendem. Nós estamos trabalhando duro para avisar a todos sobre esse procedimento. A polícia alemã pode fazer uma ronda e prender você só porque você está no meio de um grupo que está causando desordem.

Há alguma coisa na Alemanha que o senhor gostaria de ver aplicada no Reino Unido?

Eu não acho que precisamos desse tipo de poder, porque nós temos outras ferramentas. Nossa forma de lidar com a questão é bem diferente. No caso de Stuttgart, nós teríamos fechado o bar bem cedo, mas a legislação alemã diz que as pessoas têm o direito de beber e o dono do bar, de vender.

Stephen Thomas é assistente-chefe da polícia da Grande Manchester. Ele está constantemente envolvido no combate aos hooligans em seu país. Além disso, é consultor para polícias estrangeiras em torneios de futebol internacionais.

Leia mais