1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Nigéria afirma ter matado 300 membros do Boko Haram

Segundo Ministério da Defesa, forças nigerianas reconquistaram onze cidades e vilarejos no norte do país. Também teriam sido recuperados e destruídos equipamentos militares em posse da milícia terrorista.

O Exército da Nigéria matou mais de 300 membros da milícia terrorista Boko Haram e reconquistou onze cidades e vilarejos no nordeste do país, disse o Ministério da Defesa nigeriano nesta quarta-feira (18/02).

Dois soldados nigerianos foram mortos e outros dez, feridos, durante operações por terra e ar que duraram dois dias, afirmou em comunicado o porta-voz do ministério Chris Olukolade.

Os militares também dizem ter recuperado e destruído veículos blindados, um canhão antiaéreo e uma grande quantidade de armamento, incluindo bombas e granadas.

As declarações do Exército nigeriano ainda não foram confirmadas por uma fonte independente. As forças nigerianas já foram acusadas em outras ocasiões de exagerar na divulgação dos números de casualidades entre as forças inimigas e minimizar a quantidade de mortos entre os próprios militares e civis.

Também nesta quarta-feira, o Boko Haram ameaçou lançar ataques para desestabilizar o país durante as eleições presidenciais, que já haviam sido

adiadas por seis semanas

em razão da insurgência islamista no norte do país.

Estima-se que mais de 13 mil pessoas tenham sido mortas pelo Boko Haram desde 2009. O grupo almejam a criação de um Estado islâmico no norte da Nigéria.

Os insurgentes já controlam cidades e vilarejos nigerianos que juntos ocupam uma área de dimensões equivalente às da Bélgica. Mais de 1,5 milhão de pessoas estão deslocadas dentro do próprio país, o mais populoso da África, e mais de 150 mil buscaram refúgio nos países vizinhos Chade, Níger e Camarões.

Segundo o porta-voz do Exército de Camarões, Didier Badjeck, forças do país apoiadas pelo Chade realizaram ataques aéreos e utilizaram artilharia pesada contra o Boko Haram num vilarejo na fronteira entre Camarões e Nigéria.

RC/rtr/dpa

Leia mais