1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Neubauten volta à cena

Uma dose de rebeldia e outra de romantismo são as novidades do grupo Einstürzende Neubauten. A banda alemã de vanguarda iniciou turnê na Alemanha e lançou CD patrocinado pelos fãs, com quem se comunica pela internet.

default

Blixa Bargeld, vocalista e letrista do grupo

Aos 44 anos de idade, Blixa Bargeld já passou da fase de acerto de contas. Seja com as gravadoras, nas quais o solista e letrista do grupo Einstürzende Neubauten há muito não confia, ou com Berlim, onde nasceu e morou por muito tempo. Uma das maiores bandas de idioma alemão, escreve Susann Kreutzmann, da agência de notícias AP, retornou ao cenário musical com o álbum Perpetuum Mobile, em fevereiro, e uma turnê, iniciada em Leipzig, na Alemanha, nesta segunda-feira (1º), que os levará, além da Europa, à Austrália e Estados Unidos.

De forma melancólica, agressiva e às vezes até com muita nostalgia, o Einstürzende Neubauten (literalmente: prédios novos desabando) volta à cena após mais de três anos de pausa. A banda parece não ter tido pressa depois do lançamento do último álbum, Silence is sexy, em 2000.

Sons melancólicos, irônicos e divertidos Várias coisas em Perpetuum Mobile soam familiares, muitas até demais. Embora o som da motosserra tenha desaparecido em suas composições, parece ilimitada a variedade de barulhos, instrumentos e sons em suas músicas. "Pensei que a opinião pública havia entendido que os Neubauten não são os mesmos de 1980", comentou Blixa Bargeld secamente.

A não ser a mobilidade intrínseca ao objeto a que se refere, de mudança de posição sem a aplicação de energia, Perpetuum Mobile não cabe num conceito pré-definido, "a escolha do nome foi mais um acaso", salienta Bargeld.

Desde seu surgimento, em 1980, o grupo conseguiu manter uma linha própria, ignorando todas as tendências à sua volta, seja o punk ou o pop dos boygroups nos anos 90.

Mas o tempo também deixou suas marcas no Neubauten, escreve Kreutzmann. Blixa Bargeld, último remanescente do grupo original, ficou mais calmo. A amargura, a música pesada, as seqüências sombrias que marcavam as composições do grupo nos últimos anos parecem ter cedido lugar a sons mais melancólicos e até mesmo irônicos e divertidos.

A faixa Von A nach B der Liebe wegen (De A até B por causa do amor) é a declaração de amor mais bonita no novo CD. A canção descreve bem a sua situação, admite Blixa Bargeld, que durante muitos anos fez a ponte Europa-EUA "por causa do amor". Depois que fixou residência na Califórnia, a vida ficou mais tranqüila.

Berlim tornou-se apenas estação intermediária nas viagens a Xangai, "onde fica meu segundo maior apartamento", conta o músico. Talvez por isso as críticas à construção desenfreada na capital alemã se tornaram mais brandas.

Apoio internacional dos fãs "Nossa base são os supporters", admite Bargeld, sem os quais o último álbum não teria sido possível. A comunicação com a enorme comunidade de fãs se dá pela internet, enquanto o trabalho com as gravadoras é restringido ao mínimo. O último trabalho foi gravado pela Mute. Na chamada Fase I da produção do novo CD, os patrocinadores que financiaram o disco puderam acompanhar ao vivo parte dos ensaios diante de seus computadores.

Foi oferecida, inclusive, a possibilidade de participar de videoconferências com os membros da banda. Cerca de dois mil supporters em todo o mundo colaboram com o grupo, não apenas financeiramente. "Durante os trabalhos, foi crescendo a vontade de fazer uma turnê", lembra o vocalista.

A turnê de três meses começou em São Petersburgo, seguindo por várias cidades européias. Na Alemanha, a banda se apresentará até 30 de março. No final de abril, ela continua nos Estados Unidos e seu encerramento será na Austrália. Cada show é antecedido pela apresentação de um grupo de supporters.

Leia mais

Links externos