1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Netanyahu proíbe políticos judeus de visitar Cidade Velha

Na tentativa de acalmar tensões em Jerusalém, premiê orienta parlamentares e ministros a não irem a santuário plurirreligioso. Israel vem sendo palco de uma série de incidentes violentos entre israelenses e palestinos.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, proibiu nesta quinta-feira (08/10) legisladores e ministros do país de visitar a mesquita de Al-Aqsa – que os israelenses chamam de Monte do Templo –, na Cidade Velha de Jerusalém. A medida é uma tentativa de acalmar a situação após vários dias de violência.

Todos os membros do gabinete e os legisladores da coalizão de direita de Netanyahu foram orientados a se absterem do santuário, comunicou uma autoridade israelense a jornalistas sob condição de anonimato.

Visitas ao complexo haviam aumentado durante o feriado judaico de três semanas que começou em 13 de setembro e terminou em 5 de outubro. Nesse período houve intensos confrontos entre manifestantes palestinos e a polícia israelense, além do assassinato de israelenses por jovens palestinos.

Netanyahu ordenou a proibição devido a preocupações de que as visitas de judeus ao local possam resultar em mais mortes.

Nesta quinta-feira, um árabe feriu quatro israelenses com uma chave de fenda em Tel Aviv, antes de ser morto a tiros por um soldado. Outros dois novos casos de esfaqueamento ocorreram nesta quinta-feira, deixando vários feridos. Uma série de ataques similares ocorreu nos últimos dias, perpetrados principalmente por jovens aparentemente sem ligação com grupos armados.

Em Jerusalém, o prefeito Nir Barkat carregou um rifle de assalto ao visitar um bairro árabe e encorajou outros proprietários de armas licenciadas a fazer o mesmo. Nesta quinta-feira, colégios e faculdades de Jerusalém entraram em greve para protestar contra a falta de segurança no campus. Barkat disse que os estudantes da cidade tinham sido "abandonados" e que a iminente ameaça de violência tornou impossível a ida aos estabelecimentos de ensino.

Na quarta-feira, Israel permitiu a oração de palestinos no complexo de Al-Aqsa após três dias de restrições supostamente destinadas a conter a violência. No entanto, Israel e Cisjordânia foram palco de mais incidentes violentos.

Netanyahu afirmou que civis israelenses estão na "linha de frente de uma guerra contra o terrorismo" e, portanto, precisam estar em "alerta máximo". O premiê adiou uma viagem à Alemanha, alegando ter de lidar com a crise em seu país.

PV/dpa/ap/afp

Leia mais