1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Neocomunistas alemães querem incrementar intercâmbio com o Brasil

Os neocomunistas alemães da Fundação Rosa Luxemburg aproveitaram o Fórum Social Mundial para contatos de intercâmbio com o governo gaúcho e com a UERGS – Universidade Estadual do Rio Grande Sul.

default

"Estreitar relações com o Rio Grande do Sul, por ser um governo de esquerda forte e de cultura enraizada nos movimentos sociais", foi o objetivo apontado pelo professor Michael Brie, da Fundação Rosa Luxemburg, entidade ligada ao PDS (Partido do Socialismo Democrático) da Alemanha.

O PDS é o partido neocomunista alemão, sucessor do SED – o partido único que governou a extinta Alemanha Oriental. Michael Brie manteve na segunda-feira (04) um encontro com o vice-governador Miguel Rosseto, do Rio Grande do Sul, e com o reitor da UERGS, José Clóvis de Azevedo.

Intercâmbio com a UERGS

A Fundação Rosa Luxemburg existe desde 1990. Ela possui um intercâmbio de pesquisa com a UERGS na área educacional, com o projeto Escola Cidadã, desenvolvido nos municípios de Porto Alegre, Alvorada e Cachoeirinha, explica José Clóvis.

Para Brie, o estreitamento de relações com o Brasil, é muito importante: "Estamos aqui para aprender a ter desenvolvimento democrático no nosso país e assim contribuir para o movimento dos próprios cidadãos". Ele afirma que a Fundação Rosa Luxemburg pretende abrir um escritório em São Paulo ainda este ano, para poder centralizar e trabalhar melhor os projetos que desenvolve na América Latina.

Rosseto ressaltou que o intercâmbio é muito importante para o governo gaúcho. Segundo ele, "este movimento de troca é estratégico". O vice-governador entende que há algo novo acontecendo com a esquerda: "A sua capacidade de retomada vibrante, após o atentado do dia 11 de setembro aos EUA, há quatro meses atrás. Logo após o atentado, a esquerda ficou perplexa e houve uma desconstituição de agendas de massa contra o neoliberalismo. Mas hoje há 60 mil pessoas no Fórum Social Mundial, com um enorme vigor político."

Além de Michael Brie, a delegação da Fundação Rosa Luxemburg ao Fórum Social Mundial é composta por Lutz Brangsch, Rainer Rilling, Achim Wahl, Wolfgang Bey, Jörg Huffschmid, Ulrich Brand e Friederike Habermann. Os emissários alemães participaram de diversas atividades do FSM em Porto Alegre.

Links externos