1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Nem tudo são flores na festa da unidade alemã

Problemas do Leste alemão foram lembrados nas festividades pelos 13 anos da unificação. Nobel de literatura e sobrevivente de Auschwitz Imre Kertesz criticou posição alemã na guerra contra o Iraque.

default

Kertesz: exemplo para a unidade européia

Não só o tradicional bolo, a alegria, os brindes e as frases otimistas dos políticos marcaram a festa pelos 13 anos da unificação entre a República Federal da Alemanha e a República Democrática Alemã, acontecida em 3 de outubro de 1990.

Os oradores lembraram os graves problemas ─ principalmente o desemprego e a evasão populacional ─ do lado pobre do país.

Em seu pronunciamento, o chanceler federal, Gerhard Schröder, exortou os alemães a redobrarem esforços para o aperfeiçoamento da unificação e mais uma vez lembrou a necessidade de encaminhar reformas. "Mesmo que pareça que tudo está feito, não vamos nos iludir. Ainda temos um longo e penoso caminho pela frente", advertiu o social-democrata na cerimônia central, em Magdeburg, capital da Saxônia-Anhalt.

Valor inestimável ─ O orador principal foi o Nobel de literatura e sobrevivente do campo de concentração de Auschwitz, Imre Kertész. Para ele, a unificação alemã foi um acontecimento de valor inestimável. "O longo e conflituoso processo até a unificação serve de exemplo para a unidade européia", ressaltou o escritor húngaro. Ele defendeu, por outro lado, o combate militar contra o terrorismo e criticou a posição da Alemanha, que foi contra a guerra no Iraque.

"Estou convencido de que o pacifismo não é a resposta adequada aos desafios impostos pelo terrorismo", disse Kertész nesta sexta-feira (3) na capital da Saxônia-Anhalt. "Como pode ser que subitamente foi esquecido quem é inimigo e quem e aliado?", questionou o escritor, referindo-se aos países que não lutaram ao lado dos Estados Unidos contra Saddam Hussein.

Escalada íngreme ─ O presidente do Parlamento, Wolfgang Thierse, avaliou como positivo o lento processo de aproximação entre Leste e oeste do país, mesmo que "nem tudo tenha sido atingido". O deputado do Partido Social Democrático (SPD) comparou o processo à escalada de uma montanha: "Talvez o caminho dos 13 primeiros anos tenha sido íngreme. Agora, o trecho é plano, mas continua longo".

A necessidade de reformas no país foi ressaltada também pelo ex-presidente Roman Herzog e outros destaques da política e economia alemãs, que lançaram nesta sexta-feira em Berlim a "Convenção para a Alemanha". O grupo, que tem ainda o ex-presidente da Federação Alemã das Indústrias (BDI), Olaf Henkel, pretende reunir idéias sobre mudanças e reformas necessárias na Alemanha.

Einheitsfeiern in Magdeburg

Duas «borboletas» na festa em Magdeburg

Festa popular ─ Pela manhã, foi inaugurado em Magdeburg um monumento para lembrar as manifestações das segundas-feiras e a revolução pacífica no Leste alemão, que culminaram com a queda do Muro de Berlim, em 1989. Além da missa ecumênica com as participações do chefe de governo, Gerhard Schröder, e do chefe de Estado, Johannes Rau, Magdeburg foi palco de uma gigantesca festa popular, organizada pelos estados alemães.

Sob o aspecto musical, o ponto alto da festa dos 13 anos foi Udo Lindenberg, que escolheu Magdeburg para comemorar os 30 anos de sua banda. Num gesto simbólico, o roqueiro veio num trem colorido de Berlim e rompeu uma barreira de isopor nas proximidades de Magdeburg. Tudo para lembrar os 20 anos do lançamento de seu hit "Sonderzug aus Pankow" (Trem Especial a Pankow), na Alemanha Ocidental, em que cobrava do então chefe de Estado alemão-oriental, Erich Honecker, por que não recebia permissão para apresentações em Berlim Oriental.

O Dia da Unidade Alemã é feriado no país e foi criado para incentivar o sentimento de coesão do povo alemão, após décadas de separação.

Leia mais