Nem título intercontinental salvou Bayern da decadência | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 18.05.2002
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Nem título intercontinental salvou Bayern da decadência

Derrota na abertura da Bundesliga custou o tetracampeonato. Conquista em Tóquio foi momento de exceção.

default

Paulo Sérgio beija a taça de campeão intercontinental em Tóquio

Depois de sagrar-se tricampeão alemão e conquistar a Liga dos Campeões em 2001, o Bayern de Munique fez uma temporada decadente. Não faltou quem previsse a perda de motivação de seu escrete de estrelas, por "falta de desafio". As únicas contratações (Pizarro, Robert Kovac e Thiam) do clube bávaro não chegaram a alimentar a concorrência entre os jogadores.

A derrota para o Borussia Mönchengladbach (então egresso da segunda divisão) logo na primeira rodada do Campeonato Alemão serviu de prenúncio do que estava por vir ao time de Munique. A princípio, o Bayern reagiu. De meados de setembro a outubro, viveu seus melhores momentos. Uma goleada atrás da outra, tanto na Bundesliga quanto na Liga dos Campeões. Não havia quem detivesse Élber e Pizarro.

Resultado, na 10ª rodada do Campeonato Alemão, o Bayern assumira a liderança. Somente por três rodadas. Os três pontos deixados na estréia em Mönchengladbach o puniram por toda a temporada. Não fossem eles, o time bávaro teria comemorado o primeiro tetracampeonato da história da Bundesliga.

Para a má campanha, colaborou ainda uma certa dose de azar. Em vez de encontrarem-se em campo, os craques passaram a se ver no Departamento Médico do clube, que quase transformou-se em hospital, diante da demanda. Quando o armador Effenberg foi liberado, esperava-se que o time engrenasse de novo. Pelo contrário, o capitão levou os bávaros a uma incrível seqüência de resultados negativos.

Nisto tudo, a conquista do título intercontinental em Tóquio, em novembro, foi um momento quase único de felicidade. Após o recesso de inverno, o otimismo bávaro esfriou logo na reestréia, quando apanhou de 5 a 1 do Schalke. O Bayern só conseguiu recuperar-se mesmo depois de sua eliminação da Copa Alemanha (pelo mesmo Schalke) e da Liga dos Campeões (pelo Real Madrid). Então pôde se dedicar à Bundesliga e terminou em terceiro lugar (e com a defesa menos vazada), salvando ainda a chance de vir a disputar a próxima Liga dos Campeões.

Depois das férias, o Bayern começará a montar uma nova equipe. Effenberg, Paulo Sérgio, Jancker e Sforza foram dispensados. Deisler, Ballack e Zé Roberto chegam trazendo sangue novo. Os dois últimos, após uma temporada brilhante no Bayer Leverkusen.

Links externos