Negociações sobre acordo com Irã são prorrogadas | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 29.06.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Negociações sobre acordo com Irã são prorrogadas

Ministros do Exterior das seis potências mundiais e do Irã aprovam em Viena prorrogação do prazo para concluir acordo sobre programa nuclear iraniano. Inspeção em instalações nucleares é o principal ponto de discórdia.

O Irã e as seis potências mundiais do chamado Grupo 5+1 – composto pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, Reino Unido, França, China e Rússia) mais a Alemanha – concordaram neste domingo (28/06), em Viena, em prorrogar as negociações do acordo sobre o programa nuclear iraniano.

A chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini, ressaltou que ambas as partes demonstraram "vontade política" para alcançar uma solução e afirmou que a conversa chegou a "bons resultados", acrescentando que as negociações serão retomadas assim que algumas lacunas em níveis inferiores forem preenchidas. "Os ministros retornarão para cá nos próximos dias, assim, que o trabalho no texto tiver avançado", declarou.

No final do domingo, o ministro iraniano do Exterior, Mohammed Javad Zarif, retornou a Teerã para consultas políticas com o governo. Representantes das potências mundiais também deixaram a capital austríaca.

Mogherini disse ainda que apesar da partida de Zarif e de outros ministros, os países orientaram as delegações que permaneceram em Viena para prosseguir com as conversas.

O principal ponto de conflito entre as partes é a recusa do Irã em permitir inspeções de investigadores da agência nuclear da ONU, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), em suas instalações nucleares.

O ministro alemão do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, indicou que o grupo não será flexível em relação a esse aspecto. "O ponto de se e onde o monitoramento será feito não pode ser colocada em questão", disse Steinmeier e afirmou que o grupo só será tolerante com relação à forma como essas visitas serão conduzidas.

CN/lusa/dpa/afp/ap/rtr

Leia mais