1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Negócio da China

De olho no potencial do mercado chinês, muitas empresas procuram divulgar sua marca através do esporte. A Siemens Mobile decidiu patrocinar a seleção chinesa e o campeonato de futebol.

default

Sede da Siemens em Munique

Não foi só a partir da decisão de construir o Transrapid, o trem superveloz de suspensão magnética, que a Siemens se empolgou com a China, o mercado com as maiores chances de crescimento no mundo. A Siemens teve um grande aumento de vendas de sistemas de transporte, telecomunicações e usinas no ano passado, que somaram 3,2 bilhões de euros.

Seu presidente, Heinrich von Pierer, mostrou-se eufórico com as perspectivas: "O que me causa grande satisfação na Ásia é o clima de iniciativas, de construção e o entusiasmo das pessoas", disse Pierer recentemente, não deixando de acrescentar as boas chances para o grupo alemão com sede em Munique.

A aposta no futebol

Para quem quer tornar conhecida sua marca, especialmente tratando-se de bens de consumo, nada melhor do que apostar no esporte das multidões, observa o diário econômico alemão Handelsblatt em artigo sobre o gigante asiático e a Siemens. O que o grupo alemão fez foi seguir o exemplo da Philips, que patrocinou o campeonato chinês de futebol de 1995 a 2000 e tornou-se assim a terceira maior marca estrangeira do segmento de eletrônicos na China.

Desde o início de fevereiro, a Siemens Mobile, divisão de telefonia móvel do grupo, está patrocinando a seleção chinesa. Não contentes com isso, os alemães também se tornaram o principal patrocinador do campeonato chinês que até foi rebatizado de Siemens Mobile Football League. Através de contrato por um ano assinado com a Federação Chinesa de Futebol na semana passada, a Siemens garantiu o direito de fazer publicidade em todos os estádios e durante as transmissões de tevê. Calcula-se que esse contrato custou bem menos do que os 12 milhões de euros que a Siemens Mobile teria pago para ter seu nome nos uniformes do Real Madrid.

Interesses econômicos e sinergias

O objetivo da empresa alemã é claro: com ajuda do futebol aumentar sua fatia no mercado de celulares na China, o maior do mundo com seus 200 milhões de usuários. Sua divisão de telefonia móvel tem 3 mil funcionários em 17 cidades chinesas. A fábrica de celulares em Xangai ampliou, no ano passado, sua capacidade para 15 milhões de unidades, segundo o Handelsblatt.

A empresa aposta em sinergias também no patrocínio de futebol, pois o Real Madrid jogará em agosto na China, o que garantirá atenção da mídia. Consta que o presidente da Siemens já teria perguntado se o Bayern de Munique não gostaria de jogar lá. A Siemens é co-patrocinadora do Bayern e o clube alemão já está na onda asiática. Também interessada em aumentar suas vendas no gigante asiático, a Adidas, sócia do clube-empresa Bayern S/A, já acertou duas partidas do time na China após a atual temporada.

Durante a Copa do Mundo de 2002, os chineses somaram um quinto do total de telespectadores. Somente o jogo contra o Brasil foi assistido por 780 milhões de chineses. A tevê estatal transmite, através de nove canais, 15 horas diárias de futebol. Para o setor de marketing também interessam outros grandes eventos, como o torneio de tênis em Xangai, a inclusão de Xangai no circuito da Fórmula-1 a partir de 2004 e, sobretudo, a Olimpíada em Pequim, em 2008.

Leia mais