Naufrágios deixam ao menos 700 mortos no Mar Mediterrâneo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 29.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Naufrágios deixam ao menos 700 mortos no Mar Mediterrâneo

Número se refere ao afundamento de três embarcações que tentavam chegar à Europa somente em uma semana, afirma a agência da ONU para refugiados. No mesmo período, 14 mil foram salvos em operações em mar aberto.

Fotos divulgadas pela Marinha italiana nesta semana mostram o naufrágio de um barco com refugiados

Fotos divulgadas pela Marinha italiana nesta semana mostram o naufrágio de um barco com refugiados

A agência das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) afirmou neste domingo (29/05) que ao menos 700 migrantes morreram afogados nesta semana em três naufrágios no Mar Mediterrâneo, durante a tentativa de chegar à Europa.

Os naufrágios dos últimos três dias parecem representar a maior perda de vidas no Mar Mediterrâneo desde abril de 2015, quando um único navio afundou com cerca de 800 pessoas.

A porta-voz da Acnur, Carlotta Sami, estimou em cem o número de desaparecidos após o nafráugio de um barco de traficantes de seres humanos na quarta-feira, ao largo da costa da Líbia.

Ela disse ainda que cerca de 550 migrantes estão sumidos após outra embarcação afundar na manhã desta quinta-feira. Refugiados que viram o barco virar afirmaram que ele levava 670 pessoas, não tinha motor e estava sendo rebocado por outra embarcação antes de afundar.

Sami declarou, ainda, que cerca de 25 pessoas do primeiro barco conseguiram alcançar o segundo, 79 foram resgatadas por patrulhas internacionais e 15 corpos foram recuperados.

No terceiro naufrágio, ocorrido na sexta-feira, Sami afirmou que 135 pessoas foram resgatadas, 45 corpos foram retirados do mar e ainda é desconhecido o número de pessoas desaparecidas. Pelo fato de os corpos sumirem em mar aberto, é impossível saber o número exato de mortos.

Organizações humanitárias e autoridades de resgate dependem dos relatos de sobreviventes para entender o que aconteceu. A polícia italiana confirmou os detalhes do afundamento do barco de quinta-feira, mas, realizando entrevistas com sobreviventes, divulgou um número diferente de desaparecidos.

Segundo a guarda costeira italiana e a ONU, 14 mil pessoas foram salvas durante operações no Mar Mediterrâneo na última semana. Ainda não está claro, no entanto, quantas pessoas morreram afogadas na tentativa de chegar à Europa durante o mesmo período.

FC/afp/rtr/ap/dpa

Leia mais