Naufrágio provoca morte de centenas de refugiados no Mediterrâneo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 31.03.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Naufrágio provoca morte de centenas de refugiados no Mediterrâneo

Mais de 300 pessoas morreram na costa líbia quando tentavam cruzar o Mediterrâneo em embarcações precárias, provavelmente rumo à Itália. Tragédia desencadeia novo debate sobre política europeia de imigração.

default

Refugiados que sobreviveram ao naufrágio: número total de vítimas é incerto

Nas imediações de três carcaças de embarcações encontradas após um naufrágio no Mar Mediterrâneo, a guarda costeira líbia recolheu pouco mais de duas dezenas de cadáveres, noticiou um jornal de Trípoli nesta terça-feira (31/03).

Estima-se, porém, que o saldo total do naufrágio ocorrido no Mediterrâneo seja muito mais alto. Segundo informações fornecidas por autoridades líbias, somente uma das embarcações que afundaram tinha 365 passageiros à bordo, embora fosse prevista para o transporte de apenas 75 pessoas.

Os refugiados, em sua maioria africanos, deixaram a Líbia a partir do porto de Sidi Belal, próximo a Trípoli, possivelmente rumo à Itália. Uma quarta embarcação que levava 350 passageiros conseguiu escapar do vendaval e seus passageiros puderam ser salvos. Segundo autoridades locais, entre as centenas de vítimas estão refugiados da Somália, Nigéria, Eritreia, Síria, dos países do Magreb (Marrocos, Argélia, Tunísia, Mauritânia e a própria Líbia) e dos territórios palestinos.

Equipamento de salvação insuficiente

Antonio Guterres aus Portugal nominiert für den Posten als UN-Flüchtlingskommissar

António Guterres, da ONU

A Organização Internacional para Migração (OIM), em Genebra, confirmou que há mais de 300 refugiados desaparecidos. Segundo representantes da organização, as embarcações já se encontravam em alto mar, o que impossibilitava que os tripulantes regressassem a nado até a costa. Nas embarcações, não havia equipamentos de segurança, como coletes salva-vidas, por exemplo.

O alto comissário para refugiados das Nações Unidas, António Guterres, lamentou a tragédia e salientou que a "temporada do tráfego humano" se inicia no Mediterrâneo (com o início da primavera no continente europeu). Segundo Guterres, foram enviados à Trípoli representantes das Nações Unidas para averiguar as razões da tragédia junto aos sobreviventes, que foram levados a campos de internamento nas proximidades da cidade.

Vítimas nunca serão encontradas

De acordo com a OIM, desde a noite do último domingo (29/03), uma grande número de embarcações de refugiados se pôs a caminho da Itália, sendo que alguns deles já chegaram ao destino. "Nunca saberemos exatamente quantas pessoas estavam nesses barcos, porque nunca serão encontrados todos os corpos", observou uma porta-voz da organização.

Segundo a OIM, na Líbia vivem até 1,5 milhão de refugiados ilegais, principalmente dos países da África Ocidental, bem como da Somália e da Etiópia. Muitos deles tentam a qualquer custo chegar à Europa. No ano passado, 33 mil refugiados do norte da África chegaram à ilha italiana de Lampedusa.

Verbas desperdiçadas

Der Gründer der Hilfsorganisationen Cap-Anamur und Grünhelme, Rupert Neudeck

Rupert Neudeck, fundador da Cap Anamur

Rupert Neudeck, fundador da organização de ajuda humanitária Cap Anamur, criticou após a tragédia a política de refugiados da União Europeia. Em entrevista a um jornal de Munique, ele descreveu como "sem sentido" a política do bloco de manter as fronteiras sistematicamente cerradas à custa de proteção policial.

Neudeck critica também as tranferências de verbas da UE para os países africanos, teoricamente destinadas ao combate à imigração ilegal, o que acaba não acontecendo. Segundo ele, os donos do poder nos países africanos em questão não estão interessados na conjuntura econômica, nem tampouco em melhorar o nível de vida da população local. "Essas pessoas só querem incrementar seu próprio bem-estar, mantendo contas anônimas nos bancos suíços", completa Neudeck.

Caminho sem volta

Ele estima que os refugiados africanos pagam em média dois mil dólares por um lugar numa embarcação rumo à Europa. A passagem é paga geralmente pela família ou até mesmo por comunidades inteiras. Em troca, os imigrantes assumem o compromisso de enviar remessas de dinheiro à cidade natal quando chegam ao continente europeu. "Para eles não tem volta, pois mesmo se quisessem regressar, precisariam primeiro pagar as dívidas", explica Neudeck.

A Comissão da UE alertou os países-membros do bloco a se prepararem para um fluxo crescente de refugiados. Nos últimos dois anos não houve, durante o inverno europeu, nenhum recuo significante do número de embarcações de refugiados no Mediterrâneo, afirma, em Bruxelas, Michele Cercone, porta-voz da Comissão. Com isso, aumenta também o risco de tragédias como essa, completa Cercone.

SV/RR/rtr/kna/ap

Leia mais