1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Napolitano faz sondagens para composição de governo

Presidente da Itália negocia um novo governo, após surpreendente renúncia de Prodi. Premiê que ficou nove meses no poder e se demitiu após perder uma votação no Senado pode ser reconduzido ao cargo.

default

Correligionários de Silvio Berlusconi comemoram a renúncia

O presidente de Itália, Giorgio Napolitano, iniciou consultas nesta quinta-feira (22/02) para resolver a crise política desencadeada na véspera com a demissão do primeiro-ministro de centro-esquerda, Romano Prodi.

A Constituição italiana prevê que o presidente pode agora submeter o governo a um voto de confiança nas duas câmaras do Parlamento. Outras opções são encarregar Romano Prodi de formar uma nova equipe governamental ou dissolver o Parlamento e convocar eleições antecipadas. Também são possíveis outras soluções, como a escolha de uma personalidade institucional suprapartidária para formar um governo.

Segundo analistas políticos italianos, é provável que Giorgio Napolitano encarregue Prodi de formar um novo governo e as consultas políticas prévias servirão precisamente para determinar que líderes políticos reúnem um apoio parlamentar suficientemente forte que permita evitar novas eleições.

As razões da renúncia

O governo romano de centro-esquerda perdeu uma votação crucial no Senado sobre as orientações da sua política externa, originando a mais grave crise política desde que ascendeu ao poder, em abril de 2006.

O ministro das Relações Exteriores, Massimo D'Alema, havia ameaçado com a demissão do governo caso fosse derrotado nesta votação. A maioria exigida para adotar a moção era de 160 votos, mas o governo obteve apenas 158, enquanto 136 senadores votaram contra. A moção do governo reafirmava o engajamento militar da Itália no Afeganistão e confirmava a realização das obras de ampliação da base militar norte-americana de Vicenza.

O governo de Romano Prodi dispunha de maioria apenas por um voto no Senado e dependia dos votos dos sete senadores vitalícios, cuja tendência é flutuante. A abstenção de dois destes e ainda de dois senadores comunistas causou sua derrota na terça-feira.

Reações da imprensa

A imprensa italiana desta quinta-feira (22/02) classifica a crise política como "a crise das duas esquerdas" – a moderada e a radical − , uma alusão ao fato de terem sido dois senadores comunistas a provocarem a demissão do governo de centro-esquerda. "As posições [os senadores] comunistas são um sinal concreto de uma ideologia irredutível, mesmo face a uma crise governamental e ao risco de voltar a entregar o país a [Silvio] Berlusconi", o primeiro-ministro de direita derrotado nas urnas por Romano Prodi em 2006, escreve em editorial o diretor do La Repubblica, Ezio Mauro.

Em contrapartida, para o diário especializado em economia Sole-24 Ore, "a centro-esquerda atravessa uma crise muito grave". "Faltou à coligação paixão e o senso de um destino coletivo", prossegue o jornal.

Já o Stampa considera em editorial que "essa precariedade [de apoio] não impediu Prodi de realizar ou lançar reformas importantes, que o governo anterior não foi capaz de fazer aprovar, apesar de deter uma maioria bem mais confortável".

Sob o título "Lição de Seriedade", o Corriere della Sera elogia Massimo D'Alema e lamenta o seu provável afastamento da política externa num próximo governo, deplorando que "tenha prevalecido a coerência ideológica de um punhado de maximalistas". (rw)

Leia mais