1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Reunificação alemã

Na festa da Reunificação, Gauck pede apoio a migrantes

Presidente apela para que alemães tenham agora mesma solidariedade e determinação para integrar os milhares de refugiados que chegam, como tiveram para enfrentar desafio da Reunificação do país.

A Alemanha comemorou neste sábado (03/10) os 25 anos da Reunificação, com seus líderes exortando o país a reunir a mesma força e solidariedade para enfrentar agora o fluxo recorde de refugiados.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, e o presidente alemão, Joachim Gauck, ambos crescidos sob o comunismo da extinta Alemanha Oriental, participaram de cerimônias em Frankfurt para comemorar a data.

Diante de cerca de 1.500 convidados na Alte Oper, Gauck tematizou a crise de refugiados e apelou aos alemães para que se inspirem no mesmo espírito que tomou conta do país nos meses inebriantes entre a queda do Muro de Berlim e a Reunificação. "Hoje, celebramos a coragem e autoconfiança daquele tempo. Vamos usar essa memória como uma ponte", pediu Gauck, que foi pastor dissidente na Alemanha Oriental.

"Em 1990 também havia a questão legítima 'será que estamos à altura deste desafio?'", ressaltou. "No entanto, milhões de pessoas assumiram a tarefa nacional de unificação e fizeram da Alemanha um país que é mais que a soma de suas partes", disse o presidente.

Paciência com integração

Alemanha, maior economia da Europa, espera receber até 1 milhão de refugiados este ano – mais do que qualquer outro país europeu. Gauck pediu paciência com a integração dos imigrantes, dizendo que levará tempo para os recém-chegados se ajustarem a uma ordem social diferente.

Ele elogiou as calorosas boas-vindas que os migrantes receberam na Alemanha até agora, e agradeceu os voluntários e funcionários do governo que os estão ajudando na integração. Gauck também enfatizou que os valores alemães "não são negociáveis", condenando antissemitismo e discriminação contra mulheres e homossexuais. "Tolerância para a intolerância não é aceitável", sublinhou o chefe de Estado.

Deutschland Einheitsfeier in Frankfurt am Main

Vista da festa da Reunificação, em Frankfurt

Merkel afirmou neste sábado que a crise de migrantes representa um teste épico para a União Europeia. "Vinte e cinco anos depois, estamos diante de grandes desafios, como a questão dos refugiados", disse ela a jornalistas em Frankfurt. "Agora também, nós, alemães, não seremos capazes de resolver o problema sozinhos, mas somente com a Europa, com uma divisão equitativa da carga, e com o resto do mundo."

O dia 3 de outubro é feriado na Alemanha, e as celebrações para marcar a ocasião devem durar até a noite de domingo. Até lá, por volta de 1,5 milhão de pessoas de todo o país terão participado de mais de 300 eventos em Frankfurt, sob o lema "Superando Fronteiras".

As celebrações na cidade, capital do estado de Hessen, tiveram início já na sexta-feira. No passeio às margens do rio Meno, os 16 estados alemães apresentam a sua diversidade culinária e cultural.

A cada ano, a comemoração oficial do Dia da Unidade Alemã fica por conta do estado incumbido de nomear o presidente do Bundesrat, câmara alta do Parlamento alemão. Mas o dia é lembrado também em Berlim e em outras cidades do país.

MD/afp/ap/rtr/dpa

Leia mais