Na briga pelo voto, táticas usadas no Brasil diferem da prática política alemã | Eleições 2014 | DW | 28.09.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2014

Na briga pelo voto, táticas usadas no Brasil diferem da prática política alemã

No Brasil, a última semana de propaganda eleitoral antes do primeiro turno faz os candidatos lançarem mão de estratégias de urgência. E na briga pelo voto, nem tudo o que vale no Brasil é apreciado em outros países.

default

Brasília tomada por simpatizantes do PT

A menos de uma semana do fim da campanha eleitoral, os candidatos à presidência entram na fase "ou tudo ou nada". O ataque pessoal entre os concorrentes, as falas e gestos medidos para cada momento e para cada tipo de espectador dão um calor diferente à disputa. Mas como é que se conquista um voto?

Resultados de pesquisas de opinião dificultam uma interpretação clara de como o programa de governo, os slogans de efeito e a aparência pessoal influenciam a escolha do brasileiro. Enquanto uma pesquisa do Instituto Datafolha mostrou que 45% dos eleitores consideravam José Serra o mais preparado para governar o Brasil, Dilma Rousseff continua liderando as intenções de voto, com 49%, segundo pesquisa do mesmo instituto feita em 24 de setembro último.

Às vésperas da eleição brasileira, os ataques pessoais são uma estratégia que apimenta a disputa pelo voto. Na Alemanha, as críticas são menos pessoais e mais focadas na habilidade de governar do político: "O que as pessoas buscam de fato é desqualificar os adversários quanto à sua competência para governar ou para fazer negociações, ou tomar decisões. É o que tem acontecido recentemente, com denúncias sobre a falta de espírito de liderança da Merkel", avalia o pesquisador Sergio Costa, professor da Universidade Livre de Berlim.

A vida pessoal dos candidatos na Alemanha também entra em discussão, mas sob outros aspectos: se os candidatos foram membros da Stasi ou não, por exemplo. Já no Brasil, o fato de Dilma ter sido guerrilheira no passado não é decisivo para o eleitor. O que repercute mais no imaginário das pessoas são os jingles veiculados em horário nobre da televisão brasileira, com adjetivos pejorativos e tiradas sarcásticas.

Escolha do voto

“Apesar de o marketing eleitoral no Brasil ser tão desenvolvido no sentido de projetar as pessoas e colocá-las em evidência, o eleitor no fundo quer saber quem vai atender melhor os interesses pessoais e de grupo, e nesse sentido ele é igual ao eleitor alemão”, avalia Sergio Costa.

No entanto, a abordagem no Brasil é muito mais personalizada: os candidatos se esforçam para se mostrar ao eleitor como pessoas confiáveis, que defendem os interesses certos e vão implementar eficientemente os seus planos, além de desempenhar um papel de liderança importante.

Na Alemanha, a população tende a rejeitar lideranças populistas, como lembra Sergio Costa. Depois da história traumática do país em torno da figura de Hitler, a ênfase recaiu sobre o teor do programa político. "Antes de ser uma disputa em torno do 'quem', é uma disputa sobre o que fazer. E cada partido tem uma plataforma para definir o que é prioritário e como isso pode ser feito. Se um partido conseguir mostrar para o eleitorado que aquilo que ele está propondo é o mais importante a ser feito, ele ganhou metade da eleição", afirma Costa.

Na realidade brasileira, os temas tendem a ficar em segundo plano. "Durante a campanha eleitoral, a competência individual entra em jogo para realizar não se sabe exatamente o quê. Quer dizer, isso se discute depois", compara o pesquisador. O plano de governo proposto pesa menos no caso brasileiro: o que se analisa não é exatamente o que o político diz, mas como ele se apresenta e se credencia como alguém capaz de levar suas ideias adiante.

O peso da aparência

Nos dois países, a aparência influencia o prestígio, o poder e a confiança que os candidatos transmitem, mas as razões são diferentes.

Como no Brasil a maneira como a política é feita passa fundamentalmente pela televisão, o cabelo, a roupa e o sorriso têm um forte impacto na escolha. Os três candidatos a presidente zelam por uma boa aparência pública. Dilma, por exemplo, repaginou o visual antes de lançar sua candidatura.

Na Alemanha, os candidatos buscam, em sua apresentação pessoal, se identificar com o eleitorado ao qual está se dirigindo. “Se um politico do Partido Verde aparecesse com um carro de 300 cavalos, movido a gasolina, por exemplo, isso seria teria uma repercussão muito ruim entre seus simpatizantes", considera Sergio Costa.

A obrigação

E ainda: o voto entre os alemães não é obrigatório. Esse fator também exerce um grande papel na escolha do representante político, tanto na Alemanha como no Brasil. O eleitor brasileiro se sente no dever de tomar uma decisão, de não votar em branco ou nulo.

Na Alemanha, qualquer movimento em falso pode desanimar o eleitor a dar sua opinião nas urnas, como ressalta o cientista politico Karl-Rudolf Korte. Um fator importante antes das eleições é o partido explicitar quais eventuais coligações de governo ele estaria disposto a fazer ou não: "Quando não está claro para o eleitor o que virá depois de ele ter dado o seu voto, a motivação de participar da eleição cai. Principalmente os pequenos e médios partidos são aconselhados a sinalizar, ao menos, as alianças políticas que ele cogita ."

O brasileiro, na maioria esmagadora dos casos, não vota em partidos politicos. A legenda pouco influencia a corrida eleitoral. Há casos excepcionais, no entanto: quando se trata de uma eleição em que o presidente mais popular da história pede o voto para a candidata de seu partido. Ao que tudo indica, nessa situação a indicação é infalível.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Simone Lopes

Leia mais