1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Número de alemães emigrantes atinge recorde pós-guerra

Desde a Segunda Guerra, nunca tantos alemães deixaram seu país como no ano passado. Aproveitando a onda de emigração, programa de TV sobre o assunto faz o maior sucesso.

default

Alemães emigram principalmente para países europeus

Cada vez mais alemães emigram por razões econômicas. No ano passado, o número de pessoas que deixaram o país chegou a 155 mil, a maior marca desde a Segunda Guerra Mundial, afirma Gabriele Mertens, diretora geral da Obra Raphael, organização ligada à Igreja Católica, que apóia emigrantes, refugiados, empregados no exterior, casais binacionais e repatriados.

Mertens declarou que 70% dos emigrados justificaram o passo dado por razões econômicas e profissionais. Principalmente o mercado de trabalho europeu oferece boas chances para os emigrantes alemães. A Suíça, por exemplo, possui uma grande carência de mão-de-obra.

Como sinal da mobilidade crescente, a diretora avalia também o número de repatriados alemães. Eles chegaram a 99 mil, em 2006. Entre estes, há muitos idosos, que esperam uma melhor assistência de saúde na Alemanha.

Principais motivos de emigração

Gabriele Mertens

Mertens não prevê redução de onda migratória

Em entrevista à DW-WORLD.DE, Mertens afirmou que a maioria dos emigrantes alemães permanece na União Européia, já que tanto o mercado de trabalho como o sistema de previdência social na UE são bastante atraentes.

Além dos motivos econômicos e profissionais, as uniões binacionais ou simplesmente o desejo de viver em outro país são citados por Mertens como os principais motivos de emigração.

A Suíça, com 18,2 mil emigrados alemães no ano passado, seguida dos EUA e da Áustria são os países preferidos pelos que desejam deixar a Alemanha. Mas também o Reino Unido, a Polônia, a Espanha e a França são destinos preferidos.

Mertens não prevê uma redução da onda migratória, que, segundo ela, é apoiada pela crescente globalização. O número oficial de 155 mil emigrantes, em 2006, pode ser de fato muito maior, salientou.

Como conselho para aqueles que querem emigrar, a diretora da Obra Raphael cita boas qualificações e conhecimento da língua. Através de viagens anteriores, o emigrante deve conhecer bem o país de destino. Além de flexibilidade e uma poupança, Mertens afirma que o emigrante não deve esperar encontrar a Alemanha no país que escolheu para emigrar.

Em final não se fala

Mein neues Leben

Cena de 'Minha Nova Vida'

As aventuras e desventuras de emigrantes alemães por diversos países têm sido usadas como formato de programa pela TV alemã, e isso com muito sucesso. Apesar da grande concorrência, o programa em forma de novela-documentário tem audiência média de um milhão de pessoas ou cerca de 8% do cobiçado grupo de telespectadores entre 14 e 49 anos. Trata-se, na verdade, mais de um formato de novela do que de documentário.

Com a nova série Minha Nova Vida (XXL), a TV privada alemã Kabel Eins segue o exemplo do documentário da BBC escocesa Faça uma Nova Vida. Apesar de mostrar as dificuldades de emigrantes alemães no exterior, os programas procuram, sobretudo, divertir.

Como sempre acabam em um final feliz, especula-se também se os documentários vêm estimulando a emigração. Em um final da série não se fala. Em vez disso, a televisão comercial alemã está planejando para o fim do ano um novo programa com o título Meu Novo Emprego.(ca)

Leia mais