1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Não será desta vez

Alemanha admite que não conseguirá manter déficit orçamentário abaixo dos 3% do PIB em 2003, mas promete esforços no cumprimento do Pacto de Estabilidade. Comissário Solbes elogia franqueza de ministro alemão.

default

Ministro Eichel quer reduzir déficit com cortes em subvenções

"Sempre esteve claro que não conseguiríamos manter o déficit orçamentário abaixo dos 3% do Produto Interno Bruto se o crescimento econômico caísse para menos de 1,5%", esclareceu o ministro alemão das Finanças, Hans Eichel, na noite de segunda-feira (12) aos seus colegas de pasta da Zona do Euro.

O ministro social-democrata prometeu, entretanto, que o governo alemão vai se esforçar para cumprir no próximo ano a meta estabelecida pelo Pacto de Estabilidade, segundo o qual os 12 membros da comunidade do euro são obrigados a manter seu déficit orçamentário abaixo dos 3% do PIB.

Eichel pretende reduzir o déficit através do corte de subvenções e do fim de vantagens fiscais. No ano de 2001, por exemplo, o país gastou 58 bilhões de euros nas mais diversas subvenções, algumas das quais controvertidas, como à mineração, que recebeu três milhões de euros, ou à agricultura, contemplada por Berlim com 1,7 bilhão de euros. Há também quem defenda o aumento de impostos sobre produtos de tabaco.

Baixo crescimento econômico – "Berlim quer o Pacto de Estabilidade e isto foi reafirmado pelo chanceler federal Gerhard Schröder em meados de março, mas nosso problema é o baixo crescimento econômico", argumentou Eichel na reunião de ministros das Finanças em Bruxelas.

Ainda segundo o ministro alemão das Finanças, o déficit orçamentário aumentou em outros países europeus nos últimos anos, mas a maioria vinha de uma situação mais favorável que a alemã.

EU-Kommissar Pedro Solbes für Wirtschaft und Finanzbeziehungen

Pedro Solbes

Ao menos o saldo da credibilidade dos alemães continua positivo no restrito círculo da Eurolândia, até porque a Alemanha não é o único membro com graves problemas no cumprimento do Pacto de Estabilidade. Os demais ministros das Finanças não se mostraram surpresos e elogiaram a franqueza de Eichel, como o grego Nikos Christodoulakis, ou o comissário de assuntos monetários da UE, Pedro Solbes.

Este, no entanto, pressionou Eichel para que o déficit orçamentário do próximo ano se mantenha abaixo dos 3% do PIB. A Comissão Européia aguarda com expectativa o próximo dia 21 de maio, quando Eichel apresentará seu novo plano de saneamento das finanças alemãs.

Por não ter cumprido a cláusula dos 3% no ano passado, em janeiro último foi aberto um processo contra a Alemanha em Bruxelas. Se o problema não for corrigido em 12 meses, Berlim estará sujeito a multa de até 10 bilhões de euros.

Recuperação no segundo semestre – Os ministros das Finanças da Zona do Euro reuniram-se pela primeira vez desde o final dos combates no Iraque. Suas perspectivas econômicas melhoraram um pouco em relação ao último encontro, no início de abril, na Grécia. Os 12 países estão otimistas quanto a uma recuperação econômica a partir do segundo semestre deste ano. Para 2003, esperam um crescimento de 1% e, para o ano que vem, de 2,3%.

Analistas econômicos acham que também no próximo ano o déficit orçamentário alemão será superior a 3%. Uma pesquisa do jornal Financial Times Deutschland revelou o ceticismo dos profissionais da área. Martin Hüfner, do HypoVereinsbank, acha que as finanças alemãs não serão saneadas tão rapidamente.

De forma semelhante, manifestou-se o cientista econômico Bert Rürup. Na sua opinião, deveriam ocorrer cortes amplos em todos os benefícios fiscais e subvenções, para que fossem economizados entre oito e dez bilhões de euros ao ano.

O aumento de impostos para fechar os rombos do orçamento e evitar um novo endividamento continua polêmico. O economista Wolfgang Wiegard defende que a contenção de despesas seja a saída para o governo. O presidente da Confederação Alemã da Indústria (BDI) critica as sugestões de aumento do ICMS. Michael Rogowski acha que este tipo de aumento é inadequado para o remendo de buracos orçamentários. O ministro Eichel já descartou publicamente esta variante.

Arbeitskreis Steuerschätzung

Ulrich van Essen (dir.), presidente do grupo de trabalho que avalia arrecadação tributária

Mais notícias ruins – O grupo de trabalho encarregado de avaliar a arrecadação tributária de 2003 até 2007está reunido até quinta-feira e já de antemão sabe-se que não terão notícias boas para apresentar ao ministro das Finanças. A estimativa dos 30 especialistas do governo federal, estados, Banco Central e da economia alemã reunidos em Brandemburgo é que, até 2007, governo, estados e municípios deixarão de arrecadar entre 50 e 70 bilhões de euros.

No final de semana, o ministro Eichel havia admitido o fracasso dos seus planos de consolidação das finanças públicas até 2006. Já no corrente ano, o governo de Berlim terá de apresentar uma nova proposta orçamentária ao Parlamento, uma vez que o déficit público superará os cerca de 19 bilhões de euros previstos anteriormente.

Leia mais