1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

"Não foi suicídio", diz Cristina Kirchner

Presidente argentina afirma que promotor encontrado morto foi alvo de operação contra o governo. Segundo ela, caso é um escândalo político e jurídico.

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, disse nesta quinta-feira (22/01) estar convencida de que a morte do promotor Alberto Nisman "não foi um suicídio". Segundo ela, foram "plantadas pistas falsas" dentro de uma "operação contra o governo".

Nisman investigava o atentado de 1994 à Associação Mútua Israelense Argentina (Amia) e apresentaria detalhes da denúncia no Congresso argentino na segunda-feira, dia em que foi encontrado morto em seu apartamento em Buenos Aires.

"Por que alguém ia se suicidar sendo promotor e gozando ele e sua família de uma excelente qualidade de vida?", assinalou a presidente no Facebook.

Protest nach dem Tod von Alberto Nisman in Argentinien

Protesto pela morte de Alberto Nisman em Buenos Aires

Na investigação, o promotor acusa a presidente e o chanceler Héctor Timerman de terem encoberto a participação de iranianos no ataque terrorista à Amia, que deixou 85 mortos e centenas de feridos.

Segundo Nisman, o governo tentou inocentar os acusados iranianos com o objetivo de restabelecer as relações diplomáticas e comerciais entre Buenos Aires e Teerã. A Argentina pretendia trocar petróleo por grãos e vender armas ao Irã, afirmou o promotor. A acusação, que teve

sua íntegra divulgada

nesta semana, abalou o ambiente político na Argentina.

"Os espiões não eram espiões. As perguntas se tornam certeza. O suicídio (do qual estou convencida) não foi suicídio", disse Cristina. "A acusação de Nisman não somente cai, mas constitui um verdadeiro escândalo político e jurídico."

A perícia apontou que Nisman morreu com um tiro na têmpora, em um caso ainda não esclarecido. A principal suspeita dos investigadores é que possa mesmo ter sido um suicídio, mas a oposição e alguns funcionários do governo sugeriram a possibilidade de que o promotor tenha sido forçado a se matar.

RPR/rtr/ap/dpa

Leia mais