1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Não basta armar, também tem de fazer gol

Treinador do Bayern de Munique quer mudar estilo de jogo de Zé Roberto. Recuperado fisicamente, o brasileiro promete justificar na segunda metade do Campeonato Alemão o investimento do maior clube alemão.

default

Os dribles de Zé Roberto encantam os alemães

Na temporada passada, Zé Roberto brilhou nos campos alemães e europeus, sendo peça fundamental na equipe que levou o Bayer Leverkusen a três vice-campeonatos: na Bundesliga, na Copa Alemanha e na Liga dos Campeões da Europa. Habilidoso, o brasileiro costurava jogadas incríveis antes de lançar, cruzar ou tocar a bola para seus colegas já diante do gol.

O meia esquerda acabou o Campeonato Alemão 2001/2002 como o campeão de assistências. Em 16 gols do Leverkusen, foi ele o penúltimo a estar com a bola. Ele próprio balançou a rede adversária somente quatro vezes. Na temporada atual , a relação é de cinco assistências e um gol.

O técnico Ottmar Hitzfeld, do Bayern de Munique, quer mudar isto. O clube recordista de títulos da Alemanha – que contratou o brasileiro antes desta temporada – não pode se dar ao luxo de pagar alto salário para um jogador que "só" cria jogadas. Zé Roberto tem de agora também tentar ele próprio o gol.

"É meu único ponto fraco. Estou fazendo horas extras para melhorar minhas conclusões. Depois dos treinos, tenho ficado mais tempo em campo para chutar a gol. Mas a questão é também psicológica. Sempre preparei jogadas e por isso passo com freqüência a bola para os colegas, mesmo quando tenho caminho livre", admitiu o ex-jogador do Flamengo e da Portuguesa de Desportos, em entrevista ao jornal Die Zeit.

Seleção, bom motivo para empenhar-se

Além da cobrança do técnico alemão, Zé Roberto tem mais motivos para exercitar chutes a gol: a Seleção Brasileira. Aos 28 anos, a convocação para o amistoso de novembro na Coréia do Sul o reanimou, depois da decepção de não ter ido à Copa do Mundo. "Desde então tenho jogado melhor também no Bayern", afirma o meia.

Ele reconhece que no primeiro turno não jogou tudo o que sabe, mas tem sua justificativa. "No início da temporada, não estava 100%, tinha problemas nos (músculos) adutores. Eu sabia por que não estava rendendo. O que me aborreceu foi que aqueles que criticaram meu desempenho também sabiam", queixa-se o jogador, acusado de enfeitar demais os lances. "Mas agora não sinto mais dores e estou certo de que jogarei o segundo turno ainda melhor do que quando estava no Leverkusen", ressalta.

Zé Roberto nega estar sentindo o peso da camisa do Bayern. "Já dos tempos em que estive no Real Madrid sei qual é a pressão em grandes clubes. Temos de conviver com ela. Estou satisfeito que meu primeiro semestre em Munique já seja passado. Agora quero buscar com o Bayern os dois títulos alemães (Bundesliga e Copa Alemanha)."

Leia mais