1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Jogos Olímpicos

"Musli alemão enfrenta bombas atômicas"

Médicos da Alemanha criticam "fraude de desempenho" através de doping nos Jogos Olímpicos de Atenas. Aumentam as suspeitas da falta de controle nos países da ex-União Soviética.

default

Lars Riedel contundiu-se no lançamento de disco em Atenas

O fraco desempenho do atletismo alemão, castigado por uma série de contusões em Atenas, pode ser conseqüência do problema do doping. Pelo menos esta é a interpretação do coordenador médico do Comitê Olímpico Alemão (NOK), Wilfried Kindermann, e de seu colega responsável pela equipe de atletas, Helmut Schreiber. "Dopa-se sem qualquer escrúpulo com eritropoietina (epo), anabólicos e hormônio de crescimento. Nossos atletas não têm chance alguma. Não dá mais nem vontade de trabalhar com atletismo", desabafou Schreiber.

O coordenador técnico da Associação Alemã de Atletismo (DLV), Bernd Schubert, exige "um combate mais resoluto" ao que chama de "fraude de desempenho". O vice-presidente da DLV, Rüdiger Nickel, acredita que o problema do doping agravou-se em Atenas, ainda que seu combate tenha se tornado mais sério.

Kindermann vê um grande déficit nessa questão, principalmente nos países da ex-União Soviética. "Tenho a impressão de que, devido aos controles mais rigorosos, as competições se tornaram mais injustas. Lá onde sempre se combateu o uso de substâncias proibidas no atletismo, o controle é muito rígido. Nos Estados Unidos, o escândalo envolvendo o laboratório de doping Balco na Califórnia provocou uma melhora, mas ainda há muita coisa no escuro", diz.

Fazekas: problema de bexiga

Robert Fazekas

Fazekas comemora ouro conquistado na base de doping

Kindermann acredita que no atletismo em Atenas há uso abusivo de hormônios de crescimento, "mais difíceis de serem detectados do que os anabólicos, embora sejam menos efetivos. Ninguém sabe se o Comitê Olímpico Internacional (COI) está em condições de comprovar esses casos". Segundo o coordenador técnico Bernd Schubert, alguns desempenhos, principalmente entre os primeiros colocados, só são explicáveis com base no doping.

"Também o que ocorre na Hungria não é tudo correto", diz Karlheinz Steinmetz, treinador de Lars Riedel, pentacampeão mundial no lançamento de disco, referindo-se à distância de 70,93 metros atingida por Robert Fazekas nessa modalidade em Atenas. "Nós lutamos com musli contra bombas atômicas", compara Steinmetz. "É um milagre que Riedel tenha se mantido, com sucesso, tanto tempo em tão alto nível", acrescenta.

Segundo o COI, Fazekas manipulou sua amostra de urina recolhida para controle de doping e, por isso, perdeu a medalha de ouro do lançamento de disco e pode ser barrado de competições internacionais por dois anos. O atleta húngaro teria entregue apenas 25 dos 75 ml de urina necessários para o teste e abandonou irregularmente o local, o que o COI interpretou como "obstrução do controle". Inconformado, ele quer entrar com recurso na Corte de Arbitragem do Esporte (CAS) para recuperar a medalha perdida.

IAAF de olho em sprays

Para os peritos, está comprovado que atletas dopados garantem desempenhos de ponta por mais tempo, mesmo sofrendo contusões. Dos 79 atletas nomeados para Atenas pela DLV, dez abandonaram as provas contundidos, oito nem viajaram à capital grega, devido a problemas físicos. "Cerca de 30% cairam pela peneira da fase preliminar, muitos deles sem atingir suas melhores marcas do período preparatório. As principais vítimas são atletas em fim de carreira", diz Schubert. A catástrofe só foi pior no campeonato mundial de Göteborg, quando 47,4% dos atletas alemães foram eliminados na primeira fase das competições.

Segundo Kindermann, a Federação Internacional de Atletismo (IAAF) exige cada vez mais competição entre seus atletas, mas deixa a desejar na luta contra o doping. "Em vez de combater com maior rigor os hormônios de crescimento, anabólicos e a eritropoietina (epo), a IAAF aposta num combate colossal aos sprays antiasmáticos, que praticamente não têm efeito sobre o desempenho físico", diz.

Leia mais