Museu Judaico chega aos dez anos como uma das principais atrações de Berlim | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 25.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Museu Judaico chega aos dez anos como uma das principais atrações de Berlim

Mesmo antes de sua inauguração, o Museu Judaico de Berlim já atraía milhares de pessoas com instalações ainda vazias. Desde que foi aberto ao público, em 2001, recebeu mais de sete milhões de visitantes.

default

Normalmente museus são construídos porque se quer armazenar coleções de arte já existentes. No caso do Museu Judaico de Berlim, a situação foi inversa. De início, transcorreram 20 anos de debates acirrados sobre quando, como, em que amplitude e com que conteúdo tal instituição deveria ser criada. Por fim, a administração da cidade incumbiu o arquiteto norte-americano Daniel Libeskind de projetar um anexo para o barroco Museu Municipal de Berlim.

Ali dentro deveria ser construído um museu judaico, como apêndice da casa já existente. O projeto foi tão original e simbólico que a bela edificação barroca é que acabou se transformando em apêndice e, mais tarde, apenas em ambiente de entrada para o prédio de Libeskind.

Jüdisches Museum Berlin Außenansicht Daniel Libeskind Flash-Galerie

Vista aérea do Museu Judaico de Berlim

A construção em zigue-zague, com revestimento de zinco, que já foi comparada a uma estrela de Davi quebrada, a uma explosão solidificada em concreto e vidro. De qualquer forma, é incontestável o caráter espetacular do prédio, carregado de simbolismo.

Como diz Cilly Kugelmann, diretora de programação do museu, a casa é uma metáfora da difícil e complicada história dos alemães e dos judeus, dos judeus alemães e dos judeus na Alemanha.

No fim dos anos 1990, muita gente passou meses com o nome numa lista de espera, a fim de conseguir um lugar numa das concorridas visitas pelo prédio ainda vazio, para poder admirar a arquitetura embebida de história. Vãos escuros de escadas, espaços vazios, paredes tortas. E caminhos tortuosos que levam ao lado de fora, à liberdade, sobre um chão irregular rumo ao desconhecido, ao exílio. Ou para uma rua sem saída, ou seja, para os porões do Holocausto.

Espaço para a história

Michael Blumenthal, com sua personalidade excêntrica, hoje com 84 anos, foi convidado pela administração da cidade, em 1997, para assumir a direção do museu. Sem ele, afirma Kugelmann, o museu não seria o que é hoje. Não somente em relação ao carisma do lugar, mas também a seu papel histórico.

Blumenthal nasceu em 1926, nos arredores de Berlim, e fugiu do regime nazista com sua família para Xangai no ano de 1939, para emigrar depois para os EUA, onde seguiu uma notável carreira ligada à política e à economia. Em fins de 1990, ele voltou à Alemanha a fim de resgatar a história.

Segundo Kugelmann, é graças à autenticidade, à história de vida e à habilidade para negociar de Blumenthal que o Museu Judaico de Berlim se tornou um grande museu, completamente independente, sendo hoje uma das principais atrações da capital alemã.

Chanukka Fest Judentum Flash-Galerie

Luzes da Chanucá em frente ao Museu Judaico de Berlim

"Quem é judeu? E o que significa ser judeu?" – são perguntas colocadas pela exposição permanente da casa, com seus cerca de 3 mil metros quadrados, conduzindo o visitante, de maneira divertida, por dois milênios de história judaico-alemã.

Neste percurso, há infindáveis coisas a serem descobertas e conhecidas, entre elas a cozinha kosher, o mercado de casamentos entre os judeus, o universo infantil, os saraus literários, as proibições de exercício de determinadas profissões, os artesãos habilidosos, as tradições e suas mudanças, a arte e a cultura, a vida nas grandes cidades, a diversão, o fascismo e a história do pós-guerra.

Tudo é contado através de objetos expostos, disponibilizados por pessoas de todo o mundo, como móveis, louças, documentos, cartas e fotos, mas também filmes, áudios e uma parede cheia de imagens. Entre uma coisa e outra, para que as crianças não se cansem, há ofertas especiais, como cantinhos onde se pode engatinhar e pintar, bem como histórias contadas a partir de uma perspectiva compreensível para os pequenos.

Encontros, intercâmbios e novas constatações

As ofertas pedagógicas para crianças e adolescentes se tornaram uma das marcas registradas do Museu Judaico. Entre elas está uma visita para conhecer o museu com botas de sete léguas, uma oficina para saber o que se come no Sabbat e outra para explicar por que as paredes do museu são tortas. A casa oferece diversos workshops, ligados às várias exposições temporárias, todas extremamente procuradas pelos públicos infantil e jovem, inclusive por escolas da cidade.

Muita gente espera encontrar um Museu do Holocausto e sai dali tendo aprendido, de fato, infinitas coisas sobre as tradições judaicas, que vão além da terrível ruptura da civilização que o nazismo representou. Toda a complexidade da história judaica é ali apresentada sem nenhum tom acusatório, sem julgamentos e com frequência com um toque de humor.

Geplante Akademie des Jüdischen Museums Berlin Flash-Galerie

Academia do Museu Judaico de Berlim, também projetada por Daniel Libeskind

Originalmente, estimava-se que o Museu Judaico de Berlim atrairia um total de 350 mil visitantes por ano, mas a casa registra uma média de 750 mil pessoas anualmente. Com tendência crescente.

Os visitantes vêm de todas as partes do mundo, visitam exposições, frequentam workshops, concertos, leituras e o restaurante do museu. A partir do próximo ano, será também possível conhecer a Academia do Museu Judaico, situada do outro lado da rua e quase pronta para ser inaugurada, onde o arquivo e a biblioteca estarão abertos para quem quiser se aprofundar nos assuntos afins.

Para isso, Libeskind está reformando um antigo depósito de flores. Em meio às festividades do décimo aniversário do museu, o prédio ainda em construção abrigou o jantar festivo em que a chanceler federal Angela Merkel recebeu, nesta segunda-feira (24/10), o Prêmio pela Tolerância e Compreensão entre os Povos.

Autora: Silke Bartlick (sv)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais