Mundo vai se surpreender com Brasil em 2014, garante ministro | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 28.07.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Mundo vai se surpreender com Brasil em 2014, garante ministro

Em conversa com a imprensa internacional, ministro brasileiro do Esporte diz que mundo se surpreenderá com o Brasil em 2014. Preparativos são marcados pela atuação de empresas alemãs e pela experiência da Copa de 2006.

default

Logo oficial: o caminho para a Copa de 2014

O Brasil começa a sentir a pressão implacável sobre o planejamento para receber a Copa de 2014. E para que as impressões transmitidas além das fronteiras do país sejam as melhores possíveis, o ministro do Esporte, Orlando Silva, falou com exclusividade à imprensa internacional. "Acredito que o mundo vai se surpreender com o país que descobrirá em 2014", assegurou Silva.

Mas até lá há muito trabalho a ser executado. As cifras divulgadas pelo governo federal dão a dimensão do canteiro de obras que deve tomar conta das 12 cidades-sede: serão investidos 6,1 bilhões de dólares em infraestrutura de transporte urbano, 3,1 bilhões em aeroportos e 420 milhões de dólares em portos – apenas pela iniciativa do governo federal.

O país estipulou um plano que esclarece a responsabilidade das administrações municipais e estaduais, e um comitê federal vai inspecionar os trabalhos espalhados pelo país. Orlando Silva justifica a avalanche de recursos: "São investimentos que o Brasil faria mais cedo ou mais tarde, que serão antecipados. Investimentos que são importantes não só para o evento, mas também para o nosso povo".

Luiz Inacio Lula da Silva

Lula e Joseph Blatter em 2007

Ganhos para todos os lados

Embalados pelas oportunidades que o evento esportivo no Brasil proporciona, empresas europeias – principalmente alemãs – estão de olhos nos ganhos. E a participação da Alemanha já é notável desde 2008, ano em que a Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) e a Confederação da Indústria Alemã (BDI) iniciaram uma cooperação para aproveitar a experiência alemã na Copa de 2006.

A parceria rendeu um estudo sobre todas as instalações de infraestrutura necessárias para abrigar o evento, que foi entregue às autoridades das cidades envolvidas. E há iniciativas concretas em andamento, como a WinWin 2014/16, que apresenta aos empresários alemães as oportunidades de investimentos geradas pela Copa e Olimpíadas em 2016.

"Eu estive na Alemanha e vi uma Copa maravilhosa. O Mundial de 2006 na Alemanha é uma grande inspiração para o Brasil. Sobretudo para aproveitar a oportunidade de investir em infraestrutura. Recebemos duas missões de governo e empresários alemães aqui no Brasil. E tenho notícias de associações de empresários alemães e brasileiros para a construção de estádios e a oferta de equipamentos de segurança", respondeu o ministro à Deutsche Welle.

Silva ainda destacou que há uma especialidade alemã que pode servir de modelo: a sustentabilidade ambiental na construção dos estádios. Pelo menos uma empresa já está escalada para contribuir nesse quesito no Mundial de 2014 – o escritório de arquitetura GMP, de Hamburgo, vai construir pelo menos três arenas esportivas.

Deutsch-brasilianische Wirtschaftstage 2010 in München

Ralf Amman, gerente da GMP

Tática: evitar o conflito

Questionado sobre lições de possíveis erros cometidos pelos africanos a serem evitados pelo Brasil, Orlando Silva rebateu: "Falemos de boas experiências. A África surpreendeu o mundo com estádios maravilhosos (...). A África ficou isolada do mundo muitos anos por causa do apartheid. O Mundial da Fifa na África do Sul foi a reconciliação daquele país com a comunidade internacional, definitivamente".

A Fifa acompanhará o andamento dos projetos a partir de setembro diretamente do Brasil. Alguns impasses entre o governo federal e a federação internacional de futebol já geraram troca de farpas, mas o ministro destaca o bom relacionamento entre as partes – apesar de admitir pontos sensíveis. Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa, havia criticado atrasos no cronograma da Copa no Brasil.

"Eles vão conhecer a realidade mais de perto e vão se surpreender com o Brasil. Mas é claro que a Fifa terá que fazer a sua parte. Os estádios, por exemplo, apenas em maio passado tiveram seus projetos aprovados. E não se pode começar um estádio sem projeto aprovado", apontou Silva, que tenta relativizar a polêmica: "Mas são apenas detalhes".

Detalhes que ainda emperram a definição do estádio que fará a abertura da Copa, por exemplo. São Paulo, a maior cidade do país, ainda não sabe como será sua participação no evento.

Atento para que a problemática envolvendo a metrópole não vire termômetro para a comunidade internacional medir a capacidade do Brasil na preparação do Mundial, o ministro destaca: "O sucesso de 2014 é um problema particularmente do Brasil. O mundo inteiro encontrará não apenas uma boa estrutura, bons estádios e bons serviços em 2014. O mundo encontrará aqui um povo que adora fazer amigos e receber gente de tantas nações".

Autora: Nádia Pontes

Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais