1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

"Muitas meninas cometiam suicídio", relata ex-escrava sexual na 2ª Guerra

Lee Ok-Seon passou três anos em um bordel militar japonês na China durante a 2ª Guerra Mundial, onde foi forçada à prostituição. Quase 70 anos após a rendição japonesa, ela visitou a Alemanha para divulgar seu segredo.

Ela fala com coragem sobre o dia em que foi capturada nas ruas da cidade de Busan, no sudeste da Coreia do Sul, por um grupo de homens. Lee Ok-Seon, então com 14 anos de idade, foi jogada dentro de um carro e acabou indo parar em um bordel para militares japoneses na China, chamado de "posto de consolo". Ali, sofreu estupros diários até o fim da guerra.

Lee Ok-Seon não tinha ideia de que jamais veria sua família novamente ou que sequer iria pisar em seu próprio país nos 60 anos seguintes. Ela também ignorava as torturas que teria de aguentar.

A senhora de 86 anos não fornece detalhes específicos de suas experiências. Apenas resume tudo em poucas palavras: "Não era um lugar para seres humanos; era um matadouro". Sua voz fica mais exaltada quando diz a frase. Aqueles três anos a marcaram pelo resto de sua vida. "Quando a guerra acabou, outros foram libertados, mas eu não."

Um outro nome para escravas sexuais

O caso de Lee Ok-Seon não é isolado, porém não se sabe exatamente quantas outras mulheres tiveram o mesmo destino. "De acordo com estimativas, devem ter sido em torno de 200 mil mulheres, mas esse total nunca foi confirmado", explica Bernd Stöver, um historiador da Universidade de Potsdam, na Alemanha. Elas eram chamadas de "mulheres de alívio" ou de "conforto", o que o pesquisador considera "um absurdo". Trata-se de um eufemismo para o que elas realmente eram: escravas sexuais, diz Stöver.

Südkoreanerin Lee Ok-Seong

Aos 86 anos, a sul-coreana Lee Ok-Seon decidiu contar sua história

Não eram apenas as mulheres da península coreana – sob domínio colonial japonês entre 1910 e 1945 – que eram forçadas a se prostituir. Elas também vinham, entre outras regiões, da China, Malásia e das Filipinas.

Os bordéis, que se espalhavam por toda a área de ocupação japonesa, tinham como objetivo manter elevado o ânimo dos soldados e de evitar que as mulheres locais fossem estupradas.

Muitas das escravas sexuais, em sua maioria menores de idade, não sobreviveram aos tormentos. Estima-se que dois terços dessas mulheres morreram antes do fim da guerra.

Vergonha avassaladora

"Nós éramos frequentemente agredidas, ameaçadas e atacadas com facas", relembra Lee Ok-Seon. "Tínhamos 11, 12, 13 ou 14 anos de idade e não acreditávamos que ninguém nos salvaria daquele inferno." Ela explica que estava completamente isolada do mundo exterior e que não confiava em ninguém. Era um constante estado de desespero.

"Muitas meninas se suicidavam. Elas se afogavam ou se enforcavam", conta. Lee afirma que também chegou a pensar que essa seria sua única saída. Mas não teve coragem. "É fácil dizer 'eu preferia estar morta'. Mas é muito difícil fazê-lo", explicou.

Lee Ok-Seon optou pela vida e acabou sobrevivendo à guerra. Após a capitulação japonesa em 1945, o dono do bordel desapareceu. As mulheres, de repente, estavam livres, porém confusas e desorientadas. "Não sabia para onde ir. Não tinha dinheiro. Estava sem casa, tive que dormir nas ruas."

A jovem Lee Ok-Seon foi sequestrada aos 14 anos de idade e levada a um bordel militar japonês

A jovem Lee Ok-Seon foi sequestrada aos 14 anos de idade e levada a um bordel militar japonês

Ela sequer sabia como voltar para a Coreia, também não tinha certeza se de fato queria. O sentimento de vergonha era grande demais. "Decidi que preferia passar o resto dos meus dias na China. Como podia ir para casa? Estava escrito no meu rosto que eu era uma mulher de alívio. Jamais poderia olhar minha mãe nos olhos novamente."

Vida nova na China

Lee Ok-Seon acabou conhecendo um homem de descendência coreana, com quem se casou e passou a cuidar de suas crianças. "Senti que era meu dever tomar conta daquelas crianças, cuja mãe tinha morrido. Eu não podia ter meus próprios filhos."

Enquanto estava no bordel, ela quase morreu em decorrência de doenças sexualmente transmissíveis como a sífilis. Para aumentar suas chances de sobrevivência, os médicos retiraram seu útero.

Na China, ela viveu na cidade de Yanji. Manteve seu passado em segredo e tentou se recuperar, sempre por conta própria. Ela permaneceu assim durante décadas. Seu marido a tratava bem. "Se não, não teria ficado tanto tempo com ele", comenta Lee, bem-humorada.

Muitas "mulheres de alívio" tiveram vida semelhantes às do cativeiro após o tempo em que viveram nos bordéis, sempre mantendo o silêncio sobre os horrores que tiveram que passar – na maioria dos casos, por medo de sofrer recriminações.

Segundo o historiador Stöver, o tema da prostituição forçada é um tabu absoluto. "Não havia apoio algum na sociedade a essas mulheres", explica. Apenas décadas após o fim da guerra, começaram a surgir as histórias sobre as "mulheres de conforto" na Ásia.

Lee Ok-Seon passou três anos como escrava sexual, até o fim da guerra

Lee Ok-Seon passou três anos como escrava sexual, até o fim da guerra

O historiador Stöver conta que apenas em 1991 a primeira "mulher de alívio" divulgou sua história. Ela acabou por encorajar 250 outras mulheres, que finalmente falaram sobre suas experiências como escravas sexuais dos soldados japoneses, e exigiram o reconhecimento e as desculpas do governo do Japão.

Desde então, as mulheres e seus apoiadores se reúnem todas as quartas-feiras em frente à embaixada japonesa em Seul. Elas levam cartazes e gritam slogans, mas ainda não tiveram suas exigências atendidas.

Dificuldade em reconhecer os erros do passado

O Japão tem dificuldades em lidar com seu passado, afirma Stöver. Em 1993, o governo finalmente publicou um estudo reconhecendo oficialmente a existência das "mulheres consoladoras" e o papel dos soldados japoneses. "O governo se desculpou inúmeras vezes, mas sem que houvesse qualquer consequência maior", lamenta o historiador.

Ele explica que os pedidos de desculpas foram ocorrências isoladas. Jamais houve qualquer admissão completa de culpa, tampouco um programa de compensação financeira.

Além do pagamento feito por algumas centenas de pessoas em um fundo criado pelo governo, as mulheres não receberam qualquer valor, e não há indicações que isso venha a ocorrer no futuro. A corte japonesa decidiu em 2007 que as mulheres não têm direito a receber indenizações.

As ex-mulheres consoladoras reúnem todas as semanas em protestos diante da embaixada japonesa em Seul

As "ex-mulheres de alívio" reúnem todas as semanas em protestos diante da embaixada japonesa em Seul

A decisão deixou um gosto de frustração nas vítimas. Mesmo hoje em dia, muitos políticos japoneses negam a existência das "mulheres de alívio", ou diminuem os seus dramas. O primeiro-ministro Shinzo Abe chegou a declarar que "não há prova de que elas foram realmente forçadas" a trabalhar nos bordéis. Mais tarde, ele se desculpou por essa declaração.

No começo de 2013, o governador de Osaka, Toru Hashimoto, chegou a afirmar a jornalistas que durante a guerra a escravidão sexual era "necessária" para manter a disciplina entre as tropas. Lee Ok-Seon considera essa declaração grosseira e ultrajante. "Não posso aceitar que alguém diga uma coisa dessas. Quem se recusa a aceitar o que os japoneses fizeram não é um ser humano de verdade", defende Lee.

De volta para casa, mas solitária

Lee Ok-Seon vive hoje na Coreia do Sul. Em 2000, após a morte de seu marido, ela sentiu que tinha que voltar para o seu país de origem e tornar pública a sua história. Ela mora próximo a Seul, nas chamadas "casas compartilhadas", que dão assistência a ex-escravas sexuais. Foi lá que recebeu pela primeira vez cuidados psicológicos, e finalmente, um novo passaporte.

Ao pesquisar seu passado, ela soube que seus pais haviam morrido, mas que seu irmão mais novo ainda vivia. Ele inicialmente a ajudou, mas com o tempo o relacionamento se deteriorou. Foi exatamente o que ela temia: ele tinha vergonha de ser irmão de uma "mulher de alívio", e não queria ter nenhuma ligação com ela.

Leia mais