Mubarak decepciona manifestantes ao afirmar que não renuncia | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 10.02.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Mubarak decepciona manifestantes ao afirmar que não renuncia

Em pronunciamento transmitido pela televisão, o presidente egípcio Hosni Mubarak afirmou que não pretende deixar o país nem renunciar ao cargo. Manifestantes, frustrados, permanecem na praça Tahrir.

default

Em discurso à nação pela TV, Mubarak diz que não renuncia

Os rumores de que Hosni Mubarak finalmente cederia à pressão popular e deixaria o cargo chegaram ao conhecimento público no final da tarde desta quinta-feira (10/02), mas acabaram em frustração.

Na praça Tahrir, mais de um milhão de egípcios aguardavam o anúncio oficial em clima de festa, quando o presidente disse, em pronunciamento transmitido durante 18 minutos pela televisão, que não pretende renunciar.

Mubarak afirmou, contudo, que irá transferir algumas competências do cargo ao vice-presidente, Omar Suleiman. Além disso, ele afirmou que não pretende deixar o país. A recusa do presidente em renunciar deixou decepcionados os manifestantes reunidos na praça Tahrir. No local, ouvia-se palavras de ordem como "abaixo Mubarak", "nós vamos mandá-lo embora" ou "desapareça, suma".

Flash-Galerie Ägypten Kairo Mubarak Protest

Manifestante pede saída de governante

O presidente, por sua vez, insiste que o Egito esteja a caminho de uma "transferência pacífica de poder", que deverá se dar no pleito regular agendado para setembro próximo. Sua renúncia a uma candidatura nas próximas eleições já havia sido anunciada por ele anteriormente.

Mubarak salientou ainda que não pretende ouvir lições de outros países sobre a conduta a seguir neste momento, rejeitando assim claramente qualquer interferência do exterior na política egípcia.

"Medidas de proteção"

Durante a tarde desta quinta-feira, a televisão egípcia havia interrompido a programação para mostrar imagens de um encontro que reuniu oficiais militares. Um comunicado do Conselho Supremo das Forças Armadas dizia que, "em apoio às demandas legítimas da população, o Exército continuará examinando as medidas a serem tomadas para proteger a nação."

Após a expectativa de uma renúncia ter provocado euforia dos manifestantes que ocupam as ruas do Egito desde 25 de janeiro último, a televisão estatal já havia divulgado uma nota do ministro de Comunicação, no decorrer do dia, que negava a saída de Mubarak.

Nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama comentou a situação durante um discurso oficial. "Estamos acompanhando os eventos de hoje no Egito bem de perto. Teremos mais a dizer com o desenrolar dos fatos".

Para Obama, é "absolutamente claro que estamos testemunhando um acontecimento histórico. Este é um momento de transformação, que está acontecendo porque a população no Egito está pedindo uma mudança".

SV/NP/dpa/afp/ap/rtr
Revisão: Roselaine Wandscheeer

Leia mais