Muçulmanos veem ofensa a Maomé na letra do hino do Schalke | Siga a cobertura dos principais eventos esportivos mundiais | DW | 04.08.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Esporte

Muçulmanos veem ofensa a Maomé na letra do hino do Schalke

"Maomé nada entendia de futebol", cantam os torcedores do Schalke durante os jogos da equipe. Devido às críticas de muçulmanos, clube contrata especialista para analisar a letra da canção.

default

Os fanáticos torcedores do Schalke em Gelsenkirchen

O Schalke, um dos clubes de futebol mais tradicionais da Alemanha, está sendo alvo de críticas de muçulmanos incomodados com um trecho do hino do clube. Nos últimos dias, a direção do clube recebeu centenas de cartas e e-mails de protesto.

Eles foram motivados por matérias na imprensa turca, que considerou a letra do hino – escrita em 1963 – ofensiva ao profeta Maomé.

O trecho polêmico está na terceira estrofe do hino. "Maomé era um profeta que nada entendia de futebol. Mas dentre todas as belas cores, ele escolheu o branco e o azul", diz a letra do hino, cantado pelos torcedores antes dos jogos da equipe de Gelsenkirchen.

O Schalke levou as ameaças a sério e contratou um especialista em islamismo para analisar a letra. O clube divulgou que apenas se pronunciará sobre o caso após o parecer do especialista.

O Conselho Central dos Muçulmanos na Alemanha vê necessidade de o clube agir, mas também tentou acalmar os ânimos. "Não vejo má intenção ou blasfêmia. No entanto, não está expresso o respeito que nós, muçulmanos, devotamos ao profeta. A formulação sucinta pode enfurecer algumas pessoas", declarou o secretário-geral Aiman Mazyek à agência de notícias SID.

Para ele, as críticas ao Schalke estão relacionadas com o clima de insegurança e preocupação que domina a comunidade islâmica do país, "após o terrível assassinato" em Dresden. "Muitos muçulmanos na Alemanha não têm mais um sentimento de segurança. Os nervos estão à flor da pele", disse Mazyek à agência de notícias epd.

No dia 1º de julho passado, um réu matou com 18 facadas uma testemunha de origem muçulmana no tribunal da cidade alemã. A vítima estava grávida. Na época, muçulmanos protestaram pela pouca repercussão que o caso teve na imprensa alemã.

"Não haverá da nossa parte uma exigência de que a canção seja proibida, mas de que seja esclarecido o contexto da canção", disse Mazyek, lembrando que o Schalke possui muitos torcedores e jogadores de origem turca.

Um porta-voz do Schalke disse que a integração de estrangeiros faz parte dos objetivos do clube desde 1994. O clube também participa de projetos contra a xenofobia. Além disso, lembrou o porta-voz, vários jogadores muçulmanos já jogaram ou jogam no Schalke, como o turco Halil Altintop.

AS/sid/epd
Revisão: Augusto Valente

Leia mais