MPF denuncia 21 por homicídio em tragédia de Mariana | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 20.10.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

MPF denuncia 21 por homicídio em tragédia de Mariana

Denunciados são ou eram funcionários da Samarco e suas controladoras, a Vale e a BHP Billiton. Ministério Público Federal afirma que eles sabiam dos riscos de rompimento da barragem, a maior tragédia ambiental do Brasil.

Lama deixou rastro de destruição em Mariana

Lama deixou rastro de destruição em Mariana

O Ministério Público Federal (MPF) de Minas Gerais denunciou nesta quinta-feira (20/10) 21 funcionários ou ex-funcionários da mineradora Samarco e de suas controladoras, as empresas Vale e BHP Billiton, por homicídio devido ao rompimento da barragem de Fundão, em Mariana.

O rompimento da barragem da Samarco, no início de novembro de 2015, deixou 19 mortos e é considerado a maior A tragédia ambiental do Brasil.

O MPF alegou que os denunciados sabiam dos riscos de rompimento da barragem, mas a ganância teria falado mais alto do que a segurança. "Havia sempre a busca pela exploração de mais minério, sempre em busca de aumentar os lucros e dividendos para a Samarco e suas detentoras", afirmou o procurador José Adércio Leite Sampaio.

Os 21 acusados, entre eles o ex-presidente da Samarco Ricardo Vescovi e integrantes estrangeiros do conselho de administração da empresa, responderão por homicídio qualificado com dolo eventual (quando se assume o risco de matar) e por crimes de inundação, desabamento, lesão corporal e ambientais.

Um engenheiro da consultoria VogBR, responsável pelo laudo que atestou estabilidade para a barragem, também foi indiciado, junto com a empresa, pelo crime de laudo ambiental falso.

A Samarco, a Vale e a BHP Billiton são acusadas por crimes ambientais contra a fauna, a flora, o ordenamento urbano e poluição. O MPF pediu ainda reparação aos danos causados às vítimas.

Os indiciados negam irregularidades. No entanto, os procuradores encontraram diversos problemas na barragem que se rompeu e ressaltaram que sinais de uma pré-ruptura foram detectados por funcionários em 2014. A Vale e a BHP Billiton também estariam a par da situação, mas não fizeram nada para impedir a tragédia, destacou o MPF.

Segundo o site G1, a Vale repudiou a denúncia do MPF e acusou o órgão de ignorar provas e depoimentos que mostraram que a empresa não sabia dos problemas na barragem, cuja segurança teria sido sempre assegurada.

CN/rtr/afp/ots

Leia mais