1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Mostra traça relações entre China de hoje e tempo dos imperadores

"Esplendor dos Imperadores da China" não é só pompa e glória, mas também visão crítica dos caminhos até a República Popular, hoje. Além de celebrar 40 anos de relações diplomáticas entre a Alemanha e Pequim.

Retratos em tamanho natural de soberanos e rolos pintados medindo vários metros documentam minuciosamente a vida na corte imperial da China. Em opulentas cerimônias, as imagens revelam não só nobre pompa, como também as estruturas de autoridade que cercavam os dignitários.

É como se uma parte da China antiga retornasse à vida, nos numerosos artefatos com que se cercavam os imperadores, e que podem atualmente ser vistos no Museu da Ásia Oriental, na cidade alemã de Colônia. Seja um trono confeccionado com galhadas de animais, vestidos de brocado, preciosos relógios ou vasos delicados.

Sob o título Esplendor dos Imperadores da China, esses objetos estão expostos na cidade à beira do Rio Reno até 20 de janeiro de 2013. A valiosa carga foi trazida do Museu Palaciano em Pequim até a Alemanha em 39 contêineres de alta segurança.

Ausstellung Glanz der Kaiser von China Staatsrobe Kaiser Kangxi

Túnica oficial do imperador ilustra riqueza da corte de Kangxi

Ponte entre passado e presente

Ao desembalar os objetos, os guardiões do tesouro, que viajaram junto com ele, tiveram que atentar para os menores detalhes. Trata-se de uma pequena seleção dos mais de 1,8 milhão de objetos do museu chinês.

"Não pretendemos, de forma alguma, fazer propaganda para a China. Nós somos partidários do Iluminismo", assegura a curadora da exposição e diretora do museu, Adele Schlombs.

A intenção é, antes, compreender as condições históricas que levaram à formação da contemporânea República Popular da China. Pois os regentes europeus tiveram a pretensão à unversalidade, própria dos imperadores chineses.

No Reino do Meio, o soberano era o garantidor da energia cósmica, autoridade política suprema e líder religioso que unia a tudo e a todos, budistas, taoístas e adeptos do xamanismo.

Os imperadores eram considerados filhos do Céu, uma força onipotente a que ninguém podia se subtrair. Ao mesmo tempo, eram os guardiões da tradição, mecenas das artes e responsáveis pela transmissão da cultura e do saber.

"Quando se sabe disso, de súbito se vê sob uma outra luz as pretensões de poder da China de hoje", comenta a sinóloga Schlombs.

Ausstellung Glanz der Kaiser von China Halle der Höchsten Harmonie

Pavilhão da Suprema Harmonia é maior construção de madeira que existe

Ostentação com toque europeu

O que quase ninguém suspeita, é que europeus participavam ativamente da encenação da grandeza, poder e pompa na corte imperial chinesa, ressalta Adele Schlombs. Ao mesmo tempo, a China influenciou o pensamento europeu.

"O intercâmbio cultural entre a China e a Europa alcançou seu apogeu nos séculos 17 e 18." Os padres jesuítas mantinham diálogo intenso com os imperadores e a elite intelectual chinesa. A doutrina do filósofo Confúcio foi o modelo do Estado esclarecido, e marcou muitos pensadores no Ocidente.

Por sua vez, os jesuítas presentes na corte chinesa introduziram um novo imaginário, abrindo para o imperador novas possibilidades de autorrepresentação, conta a diretora do Museu da Ásia Oriental. Na qualidade de pintores e artistas, os prelados influenciaram o estilo realista dessa época.

Intercâmbio artístico e tecnológico

Mensagem de paz, quadro de 1736 de Giuseppe Castiglione ilustra bem essa dinâmica. Para os não iniciados, o que se vê são apenas dois homens portando um galho de damasqueiro em flor.

Na verdade, como explica Schlombs, o que se documenta aqui é a transferência pacífica do cargo de imperador. "Decisivo, porém, é que os rostos são perfeitamente reconhecíveis, com sombras e traços definidos. Antes dessa época, tal coisa seria impensável."

A ciência da China igualmente lucrou com as influências ocidentais. O jesuíta Adam Schall von Bell, nomeado mandarim na corte do imperador, ascendeu ao cargo de diretor do instituto imperial de astronomia e desenvolveu instrumentos astronômicos, além de supervisionar a produção de canhões durante algum tempo.

A troca cultural dava asas à tecnologia. Os chineses importaram a técnica de aplicação de esmalte do Ocidente, onde era empregada na valorização de superfícies metálicas. Os chineses, em vez disso, passaram a aplicar a esmaltagem para a elaborada e artística decoração da porcelana.

Ausstellung Glanz der Kaiser von China Adele Schlombs

Curadora Adele Schlombs promete não só luxo, mas também reflexão nesta mostra

A impressionante exposição no Museu da Ásia Oriental celebra os 25 anos de parceria entre as cidades de Pequim e Colônia. E foi justamente essa conexão de longa data que permitiu à instituição cultural compor uma mostra de tal gabarito. Além disso, em nível federal, registram-se 40 anos de relações diplomáticas entre o governo alemão e República Popular da China.

Apesar do título Esplendor dos Imperadores da China, o que se exibe em Colônia não é apenas a pompa e glória dos antigos soberanos. "Aqui se estabelecem também conexões críticas com o sistema de dominação anterior", acentua Adele Schlombs.

A curadora do evento está certa que o apoio chinês a essa exposição, em toda a sua minúcia e variedade, demonstra um pouco da nova soberania e distanciamento da China em relação à própria história.

Autoria: Günther Birkenstock (av)
Revisão: Francis França

Leia mais