Mostra em Berlim exibe selos raros das Ilhas Maurício | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 07.09.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Mostra em Berlim exibe selos raros das Ilhas Maurício

Os famosos selos mauricianos estão espalhados pelo mundo. Estampados com o rosto da rainha Vitória, são considerados joias pelos colecionadores. Berlim reúne pela primeira vez 18 exemplares da raridade do século 19.

default

Raro exemplar do selo azul

O pequeno selo azul, sobre o qual foi detalhadamente estampado o rosto da então rainha do Reino Unido, Vitória, tem mais de 160 anos de idade. O exemplar, em excelente estado de conservação, pertence à atual monarca britânica, que o emprestou ao Museu da Comunicação de Berlim. Até 25 de setembro, uma mostra reúne pela primeira vez 18 dos 27 raros selos das Ilhas Maurício ainda existentes.

"É como uma reunião de família", diz um especialista da Inglaterra em visita à sala do museu, com baixa iluminação. "São tesouros da história do Império Britânico", completa um colega. "Ao observar estes selos, mergulha-se em uma fascinante viagem ao passado." Os selos, que quando foram impressos custavam dois centavos, hoje valem milhões.

Raridades

Briefmarke blaue Mauritius

Os selos azuis e vermelhos foram emitidos a partir de 1847

A história quase de contos de fada dos selos começou em 1847 nas Ilhas Maurício, arquipélago no Oceano Índico. A então colônia britânica emitiu um total de 500 selos azuis e vermelhos com a inusitada inscrição "Post Office Mauritius" ("Correios das Ilhas Maurício"). O selo vermelho, de um centavo, era destinado ao serviço postal dentro das próprias Ilhas, e o azul, vendido a dois centavos, servia para cartas destinadas ao exterior.

Todos os selos emitidos posteriormente levavam a habitual inscrição "Post Paid" ("Postagem paga") e, por serem mais numerosos, interessam menos aos colecionadores. Os apaixonados por selos caçam os raros "Post Office Mauritius", estampados manualmente um a um. Além disso, o que faz deles interessantes é o fato de nenhum ser exatamente igual ao outro, ou seja, cada exemplar é único. E cada selo tem sua própria história.

Doze unidades azuis e 15 vermelhas foram conservadas, sem excluir a possibilidade de descobrirem-se mais. Cada "Post Office Mauritius" muda de dono de tempos em tempos, de maneira que os especialistas sentem como se fizessem parte de um romance policial que sempre assume novos rumos.

Agora, os especialistas esperam que a chapa de impressão original de 1847 reapareça após a exposição em Berlim. Ela é considerada a peça de cobre mais cara do mundo.

Selo azul

Museum für Kommunikation Berlin

Museu da Comunicação de Berlim exibe raridades das Ilhas Maurício até 25 de setembro

O fato de o "encontro das rainhas" acontecer justamente em Berlim não surpreende. Em nenhum outro país a lenda do selo mauriciano azul é tão conhecida como na Alemanha. Cineastas e escritores germânicos contribuíram para o mito. Já no ano de 1904, o então museu imperial dos correios alemão adquiriu um dos selos azuis. No exterior, os exemplares azuis e vermelhos são conhecidos principalmente entre os especialistas.

Entre as raridades  expostas em Berlim, uma se destaca: um envelope com um selo mauriciano azul e outro vermelho. Durante semanas, a carta foi transportada em um navio junto a um carregamento de vinhos, das Ilhas Maurício até Bordeaux, na França. A chamada carta de Bordeaux é considerada a joia da filatelia.

"Ofereci ao dono cem milhões de euros pela carta, mas ele recusou", conta um leiloeiro. Não é de se admirar, então, que a exposição em Berlim esteja protegida com um seguro no valor de 50 milhões de euros.

Autora: Nina Werkhäuser (lpf)
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais