1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Moscou considera enviar tropas à Síria

Caso o regime Assad faça um pedido, Kremlin diz que irá discuti-lo e avaliá-lo através de "diálogos bilaterais". EUA planejam conversações com russos sobre guerra civil síria, diz secretário de Estado John Kerry.

Moscou afirmou nesta sexta-feira (18/09) que consideraria a possibilidade de enviar tropas à Síria se recebesse um pedido do presidente Bashar al-Assad. O anúncio veio em meio a

suspeitas de um aumento da presença militar russa no país

, assolado pela guerra civil há quatro anos.

"Se houver um pedido [da Síria], iremos, naturalmente, discuti-lo e avaliá-lo através de contatos e diálogos bilaterais", afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov. "Por enquanto, é difícil falar sobre isso hipoteticamente", disse.

Os Estados Unidos sustentam que Moscou – um dos mais tradicionais aliados de Damasco – enviou secretamente tropas, unidades de artilharia e tanques para a Síria. O Kremlin alega que o envio de armas ocorreu sob contratos já existentes e

nega que suas forças estejam no país

.

O presidente russo, Vladimir Putin, forneceu apoio a Assad em meio ao levante popular contra seu regime, que se transformou numa sangrenta guerra civil. O conflito já matou em torno de 240 mil pessoas e forçou o deslocamento de quatro milhões de sírios.

Moscou insiste numa ampla coalizão internacional para combater os avanços do "Estado Islâmico" (EI) no país, mas países do Ocidente e da região se recusam em lutar ao lado de Assad.

Diálogo EUA-Rússia

Os Estados Unidos estão planejando iniciar conversações diretas entre a Rússia e autoridades militares americanas sobre o envolvimento de Moscou no conflito da Síria, disse o secretário de Estado americano, John Kerry, nesta sexta-feira. Moscou logo afirmou que também está disposta a dialogar com os EUA.

Kerry disse que o presidente Barack Obama acredita que essas discussões seriam uma etapa importante para buscar uma solução para a crise síria. As conversas, segundo o secretário de Estado, deverão "ajudar a definir algumas das diferentes opções disponíveis" em relação ao conflito.

"Nosso foco continua sendo a destruição do 'Estado Islâmico' (EI) e a estabilidade política síria, que acreditamos não ser possível de atingir com a presença em longo prazo de Assad", disse. "Buscamos meios de encontrar um denominador comum."

RC/rtr/ap/afp

Leia mais