1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Morte de Nisman foi homicídio, afirma procurador argentino

Indícios apontariam que promotor encontrado morto antes de detalhar denúncia contra Cristina Kirchner foi assassinado. É a primeira vez que uma autoridade judicial classifica o caso de homicídio.

default

Alberto Nisman conduzia inquérito sobre atentado a associação judaica

O promotor argentino Alberto Nisman aparentemente foi assassinado, disse nesta quinta-feira (25/02) o procurador-geral da Corte de Apelações Criminais de Buenos Aires, Ricardo Saenz. Nisman morreu no ano passado, poucos dias depois de acusar a então presidente Cristina Kirchner de acobertar a suposta participação do Irã num atentado a um centro judaico na Argentina.

"Os indícios até este momento sustentam a hipótese de que Alberto Nisman foi vítima de um crime de homicídio", escreveu Saenz numa recomendação para que o caso seja encaminhado às autoridades federais e tratado como uma investigação de assassinato. Foi a primeira vez que uma autoridade jurídica classificou a morte de homicídio.

Nisman foi encontrado com uma bala na cabeça e uma pistola a seu lado no banheiro de seu apartamento, em Buenos Aires, em janeiro do ano passado. Inicialmente, o caso foi classificado de suicídio – ideia rechaçada por familiares, amigos e pela maioria da população argentina.

"Não foi Alberto Nisman que disparou a arma que o matou, o que necessariamente leva a concluir que ele foi vítima de homicídio", afirmou Saenz.

Quando o corpo foi encontrado, faltava menos de um dia para que ele comparecesse perante o Congresso para detalhar a acusação, segundo a qual Kirchner tentou encobrir o suposto papel do Irã no atentado à Associação Mutual Israelita Argentina (AMIA), em 1994. O ataque, com um caminhão-bomba, deixou 85 mortos.

Nisman vinha conduzindo o inquérito a respeito do caso. Ele baseava sua denúncia num acordo de entendimento assinado pela Argentina e pelo Irã em 2013, que, segundo o promotor, teria como objetivo encobrir os suspeitos do ataque à AMIA e estimular o intercâmbio comercial de grãos argentinos e petróleo iraniano. A denúncia foi arquivada em maio do ano pasado.

Teerã negou reiteradamente qualquer envolvimento no atentado, e um juiz argentino descartou as acusações de Nisman contra a ex-presidente, considerando-as improcedentes.

A revelação de Saenz sobre o possível homicídio veio à tona em meio a uma série de mudanças realizadas desde a posse do novo presidente argentino, Mauricio Macri, em dezembro passado. Durante sua campanha eleitoral, Macri comprometeu-se a desvendar o mistério da morte de Nisman.

LPF/rtr/efe

Leia mais