1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Morte de manifestante agrava tensão na Turquia

Em seu quarto dia, onda de manifestações se espalha pelo país e já tem milhares de prisões e detenções. Alvo dos protestos, premiê responsabiliza "extremistas" e nega que "Primavera Turca" esteja tendo início.

A polícia turca reprimiu com gás lacrimogêneo e canhões de água nesta segunda-feira (03/06) os protestos contra o governo do primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan em Istambul, que chegaram a seu quarto dia seguido agravados pela morte de um manifestante e pelos mais de 1.400 feridos. A instabilidade já se reflete na economia, e a Bolsa de Valores de Istambul fechou com queda superior a 10%, a maior em um único dia na última década.

Os protestos surgiram de forma espontânea na última sexta-feira (31/05), após violenta repressão policial contra manifestantes que tentavam evitar o fechamento do parque Gezi, onde o governo tem a intenção de reconstruir um quartel militar histórico da época otomana que funcionaria como centro comercial.

A violência policial acabou desencadeando protestos generalizados por todo o país contra o que os manifestantes veem como um autoritarismo do governo e, em especial, de Erdogan. A Praça Taksim e o parque Gezi estão ocupados por manifestantes desde sábado. Eles acusam o primeiro-ministro de impor medidas autoritárias – como a lei seca – e pedem sua renúncia.

A polícia turca é acusada de cometer excessos contra manifestantes

A polícia turca é acusada de cometer excessos contra manifestantes

Erdogan minimizou os protestos contra seu governo, de base islamista e que enfrenta agora o maior desafio desde seu início, em 2002. Ele se recusou a falar em uma possível "Primavera Turca", termo que faz alusão à Primavera Árabe.

O primeiro-ministro deixou o país para dar prosseguimento a sua agenda, ao realizar uma visita oficial ao Marrocos, afirmando manter-se "firme" contra os protestos. Em declaração no aeroporto de Istambul antes da viagem, Erdogan minimizou os protestos afirmando que teriam sido organizados por "elementos extremistas", e ressaltou que os serviços de inteligência do país investigam a influência de forças estrangeiras.

Presidente pede calma

O presidente Abdullah Gül adotou uma postura mais cautelosa e fez um apelo à população para que mantenha a calma. "A democracia não significa apenas eleições", afirmou Gül, acrescentando que opiniões divergentes podem ser expressadas, mas deve haver respeito mútuo: "Vivemos em uma sociedade aberta."

A Associação de Médicos da Turquia denunciou a morte de um jovem de 20 anos, Mehmet Ayvalitas, quando um automóvel atingiu a multidão, ignorando os avisos dos manifestantes.

Türkei Proteste Tayyip Erdogan

O primeiro-ministro Tayyip Erdogan em coletiva de imprensa no aeroporto de Istambul

Grupos de direitos humanos denunciaram que os choques com a polícia deixaram mais de 2.300 feridos nos quatro dias de protestos. Apenas em Istambul, o número de feridos já ultrapassa os 1.400. Na capital Ancara e na cidade de Izmir, o total gira em torno de 800.

Já as estimativas do governo no domingo falavam em 58 civis e 115 membros das forças de segurança feridos, com manifestações registradas em 67 cidades. Mais de 1.700 prisões teriam sido efetuadas pelo país.

Em Washington, o secretário de Estado americano, John Kerry, afirmou que os EUA acompanham de perto os distúrbios na Turquia. Erdogan visitou recentemente a Casa Branca. "Estamos preocupados com uso excessivo da força policial", afirmou. Kerry, que pediu ainda moderação à polícia e clamou os dois lados a evitarem atos que possam provocar violência.