1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Morre um dos mais importantes editores da Alemanha

Siegfried Unseld, da conceituada editora Suhrkamp, era um editor "à antiga", que fomentava e mantinha uma estreita relação com os autores que ele próprio descobria.

default

O editor Siegfried Unseld

Considerado o mais importante editor da Alemanha no pós-guerra, Siegfried Unseld faleceu no sábado (26), aos 78 anos, após meses gravemente enfermo. "A cultura em nosso país perde assim um de seus grandes representantes e mecenas", escreveu o chanceler federal Gerhard Schröder em telegrama de condolências à viúva, a escritora Ulla Berkéwicz. Para o presidente da Alemanha, Johannes Rau, Unseld determinou, de uma forma obstinada e muitas vezes polêmica, os caminhos da literatura do país.

Nascido em 1924, Unseld estudou filologia, filosofia e economia e doutorou-se, em 1951, com uma tese sobre Hermann Hesse. Foi o próprio Hesse que o recomendou ao editor Peter Suhrkamp, com quem ele começou a trabalhar em 1952. Quando o editor morreu, em 1959, Unseld assumiu a editora e manteve-se a sua frente durante mais de 50 anos.

Só parou de trabalhar alguns meses atrás, ao adoecer, tendo criado então uma fundação que levará adiante o trabalho editorial. Presidente é sua esposa, e o conselho editorial conta com nomes de peso como Hans Magnus Enzensberger e Jürgen Habermas.

Patriarca e mecenas — Foi Unseld que cunhou a linha editorial da Suhrkamp, que se desenvolveu para um pequeno império, composto ainda das editoras Insel, Theaterverlag, Editora Judaica e a edition suhrkamp, uma linha especializada em livros científicos.

Sem se curvar às modas literárias, Unseld era o editor que descobria talentos e os fomentava. Além das obras de Hesse, um dos pilares da editora, a Suhrkamp lançou e tornou conhecidos autores do porte de Peter Handke, Martin Walser e Uwe Johnson. Uma das últimas decisões tomadas ainda por Unseld, antes de se afastar dos negócios, foi a publicação do controvertido romance de Martin Walser, Der Tod eines Kritikers (A morte de um crítico), pelo qual o autor foi acusado de anti-semitismo. Dieter Schormann, presidente da Associação do Comércio Livreiro Alemão, refere-se a Unseld como "uma figura paterna" para muitos dos autores que ele editava.

O crítico Marcel Reich-Ranicki atribui a importância do editor ao fato de ter "percebido e reconhecido com precisão a atmosfera e a base da vida cultural na Alemanha e de logo ter exercido influência sobre ela".