1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Morre o último sobrevivente de Treblinka

Samuel Willenberg foi um dos 67 prisioneiros que sobreviveram ao campo de extermínio na Polônia e um dos instigadores da revolta contra os guardas nazistas, uma das poucas em prisões da Segunda Guerra Mundial.

default

Samuel Willenberg em imagem de outubro de 2010: ele escreveu um livro sobre sua história

Morreu na última sexta-feira (19/02), aos 93 anos, o israelense Samuel Willenberg, o último dos 67 prisioneiros que sobreviveram ao campo de extermínio de Treblinka, na Polônia ocupada pelos nazistas. A informação foi dada neste domingo pelo instituto Yad Vashem, que se dedica a preservar a memória das vítimas do Holocausto.

Nascido em Czestochowa, na Polônia, Willenberg tinha 19 anos quando foi enviado para o campo de extermínio, junto a todos os habitantes judeus da cidade de Opatow. Estima-se que, nos meses (entre julho de 1942 e outubro de 1943) em que Treblinka ficou em operação, cerca de 870 mil judeus tenham sido executados, no que é conhecido como o período em que mais se matou dentro da chamada Solução Final.

Apenas um seleto grupo de prisioneiros – em sua maioria jovens e saudáveis, como Willenberg – foi poupado da execução imediata, para que pudessem fazer trabalhos braçais para os nazistas.

Com outros 200 presos, Willenberg conseguiu escapar do campo e foi um dos instigadores da revolta em Treblinka, um dos poucos motins que foram realizados nos campos de extermínio durante a Segunda Guerra Mundial.

Durante a revolta, os prisioneiros queimaram uma parte do campo, antes de se precipitarem até as cercas elétricas sob os disparos dos nazistas, que mataram a maioria dos rebeldes. Samuel Willenberg, ferido na perna, conseguiu escapar.

Deutschland Treblinka Gedenkstätte

Memorial em lembraça das vítimas do campo de de Treblinka: estima-se que 860 mil pessoas foram mortas

"Uma multidão de prisioneiros tentou pular as cercas e escapar do campo. Eles foram alvos dos tiros disparados das torres de vigilância, a maioria foi atingida, morrendo na cerca ou na área próxima dela", escreveu o instituto Yad Vashem em seu site. "Dos cerca de 750 prisioneiros que tentaram escapar, aproximadamente 70 sobreviveram para ver a libertação do campo."

Willenberg contava que seus olhos azuis e sua aparência "não judaica" permitiram que ele sobrevivesse do lado de fora das cercas, passando despercebido por vilarejos poloneses até chegar a Varsóvia, onde aderiu à resistência.

Ao terminar a guerra, Willenberg serviu o Exército polonês. Em 1950, emigrou para Israel, onde trabalhou como funcionário no Ministério da Habitação. Ao se aposentar, ele passou a dedicar-se a fazer esculturas.

Suas obras estão relacionadas a seus traumas do Holocausto, como o assassinato de suas duas irmãs em Treblinka. Ele também escreveu um livro sobre a revolta no campo de extermínio. Uma de suas esculturas está exposta na residência oficial do presidente israelense em Jerusalém.

RPR/afp/dpa/ots

Leia mais