Morre Malcom McLaren, um dos mentores do pop e do punk | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 09.04.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Cultura

Morre Malcom McLaren, um dos mentores do pop e do punk

McLaren foi um dos ícones da cultura punk, tendo agenciado bandas como Sex Pistols, New York Dolls e Bow Wow Wo. Para muitos, sua arte e sua música revolucionaram o mundo.

default

Malcolm McLaren, em setembro de 2004

O inglês Malcolm McLaren, artista e ex-empresário da banda punk Sex Pistols, morreu nesta quinta-feira (08/04) em um hospital na Suíça. O inglês, que foi um dos pioneiros da cultura pop, tinha 64 anos e foi vítima de câncer.

Segundo Young Kim, namorada de McLaren, a morte foi causada por um tipo raro de câncer de pulmão chamado mesotelioma. A mulher de 38 anos também corrigiu a primeira informação de que ele haveria falecido em Nova York. Mc Laren deverá ser enterrado no cemitério Highgate, no norte de Londres.

Para Kim, McLaren foi um grande artista "que mudou o mundo". "Tudo o que ele fez, a sua loja na rua King's Road, em Londres, sua moda, a música que ele criou, as bandas que ele dirigiu... foram expressões da sua arte", disse a namorada.

Artista revolucionário

Malcolm McLaren Sex Pistols Manager verstorben

McLaren em outubro de 1978

John Lydon, líder da banda Sex Pistols, prestou homenagem ao ex-empresário por meio de uma declaração. "Para mim, Malc sempre foi divertido e eu espero que vocês também se lembrem disso. Sobretudo, ele foi um animador e eu vou sentir a sua falta, e espero que vocês também", disse Lydon.

Kim disse que estava ao lado do namorado quando ele morreu, assim como Joseph Corre, filho de McLaren com a designer de moda Vivienne Westwood.

Corre descreve seu pai como um "original roqueiro punk" que revolucionou o mundo. "Ele é alguém de quem eu me orgulho incrivelmente. Ele é uma referência para as pessoas admirarem", disse.

Com sua ex-parceira Vivienne Westwood, McLaren abriu em 1971 a loja Sex na King's Road, no distrito londrino de Chelsea. Lá o casal vendia artigos e roupas inspirados no visual fetichista.

Com os Sex Pistols

MacLaren foi uma das figuras centrais da cena punk. O então estudante de arte começou a agenciar os Sex Pistols em 1975, trazendo Lydon para liderar a banda e influenciando no seu visual.

A banda gravou o sucesso God Save the Queen (Deus salve a rainha) em 1977, ano do jubileu de prata da Rainha Elizabeth II. As letras provocadoras contra o sistema monárquico e político colocaram os Sex Pistols no topo das paradas de sucesso, apesar de a emissora de televisão inglesa BBC não ter dado espaço para a banda.

Malcolm McLaren mit den Sex Pistols Steve Jones, Jim Fetter, Paul Cook und Ronald Biggs

McLaren junto à banda Sex Pistols em 1978

Ainda em 1977, gravaram o álbum Never Mind The Bollocks, Here's the Sex Pistols, que marcou a história da música punk. No ano seguinte, a banda embarcou para os Estados Unidos.

Após o show em São Francisco, a banda se separou. Lydon reclamava do comportamento inconsequente do baixista Sid Vicious e dos erros de agenciamento de MacLaren. O empresário teve uma briga com a banda e anos depois perdeu na Justiça os direitos de royalties.

Além de dirigir os Sex Pistols nos anos 70, o empresário também agenciou outras bandas, como New York Dolls e Bow Wow Wow. Dentre outros projetos, compôs o tema para a companhia aérea British Airways e melodias para programas da rádio BBC. No ano passado, MacLaren exibiu seu trabalho artístico na Inglaterra e nos Estados Unidos.

DD/Reuters/afp
Revisão: Simone Lopes

Leia mais