Morre aos 97 anos ex-presidente alemão Walter Scheel | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 24.08.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Morre aos 97 anos ex-presidente alemão Walter Scheel

Político do Partido Liberal Democrata foi um dos articuladores da política de reaproximação da Alemanha Ocidental com a Oriental e os países do Leste Europeu, durante governo do chanceler federal Willy Brandt.

Ex-presidente alemão Walter Scheel

Ex-presidente alemão Walter Scheel contribui para reaproximação entre duas Alemanhas

O ex-presidente alemão Walter Scheel morreu nesta quarta-feira (24/08) aos 97 anos, comunicaram o porta-voz do Partido Liberal Democrata (FDP) e a Presidência Federal da Alemanha. Scheel vivia há anos em um asilo na cidade de Bad Krozingen, nos arredores de Freiburg.

Scheel foi presidente do FDP entre 1968 e 1974. De 1969 a 1974 foi ministro do Exterior e vice do chanceler federal Willy Brandt no governo de coalizão entre SPD e FDP. Entre 1974 e 1979, foi o quarto chefe de Estado da República Federal da Alemanha.

Nos últimos anos, Walter Scheel apresentava saúde debilitada e sofria de demência, raramente aparecendo em público. Nascido em 8 de julho de 1919 em Solingen, em 1946 ele se afiliou ao FDP, e foi deputado durante quase 25 anos. Serviu como ministro sob os chanceleres federais da União Democrata Cristã (CDU) Konrad Adenauer e Ludwig Erhard e, posteriormente, no governo do social-democrata Willy Brandt.

Ao lado de Brandt, Scheel conseguiu aprovar controversos tratados com a Alemanha Oriental, contribuindo para dar novo rumo à política alemã para o Leste, baseada na reaproximação. Hoje considerada a base para a unidade alemã, na época essa política era controversa.

"Willy Brandt só conseguiu transformar o país porque tinha em Walter Scheel um parceiro apropriado", declarou o atual ministro do Exterior da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier. "Desde muito cedo, ele entendeu a importância de uma política de integração europeia para o nosso país", escreveu o presidente alemão, Joachim Gauck, em mensagem de condolências à viúva Barbara Scheel.

MD/dpa/epd

Leia mais