1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Moro revoga prisão temporária de Mantega

Juiz afirma que desconhecia estado de saúde da esposa do ex-ministro da Fazenda, detido em hospital em São Paulo. Polícia Federal suspeita de interferência de Mantega em repasse de recursos para campanha do PT.

O juiz federal Sérgio Moro revogou nesta quinta-feira (22/09) a prisão temporária do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, efetuada horas antes durante nova fase da Operação Lava Jato.

Mantega foi preso no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde acompanhava a mulher, que passou por uma cirurgia. Moro disse que ele, a autoridade policial e o Ministério Público Federal desconheciam o estado de saúde da esposa do ex-ministro, acometida de "doença grave". Procuradores haviam pedido a prisão de Mantega alegando riscos de destruição de provas.

"Considerando os fatos de que as buscas nos endereços dos investigados já se iniciaram e que o ex-ministro acompanhava o cônjuge no hospital e, se liberado, deve assim continuar, reputo, no momento, esvaziados os riscos de interferência da colheita das provas nesse momento", declarou o juiz em despacho.

"Procedo de ofício, pela urgência, mas ciente de essa provavelmente seria também a posição do MPF e da autoridade policial. Assim, revogo a prisão temporária decretada contra Guido Mantega, sem prejuízo das demais medidas e a avaliação de medidas futuras", concluiu.

A Polícia Federal, com o apoio da Receita Federal, iniciou nesta quinta-feira a 34ª fase da Lava Jato, chamada de Arquivo X e que investiga a contratação, pela Petrobras, de empresas para a construção de duas plataformas (P-67 e P-70) para a exploração de petróleo na camada pré-sal. As empresas são a empreiteira Mendes Júnior e a OSX, do empresário Eike Batista.

A Polícia Federal suspeita que Mantega tenha interferido junto ao comando de uma das empresas para negociar o repasse de recursos para pagamentos de dívidas de campanha do PT. Esses valores teriam como destino pessoas já investigadas na operação e que atuavam no marketing e propaganda de campanhas políticas do partido. São apurados os crimes de corrupção, fraude em licitações, associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Em depoimento ao Ministério Público, Batista disse que, em novembro de 2012, Mantega, que à época era presidente do Conselho de Administração da Petrobras, teria pedido 5 milhões de reais para o PT. Para fazer o repasse, Batista firmou contrato falso com empresa ligada a publicitários já denunciados na Lava Jato por lavagem de dinheiro. Após uma primeira tentativa frustrada de repasse em dezembro de 2012, em abril de 2013 constatou-se a transferência de 2,350 milhões de dólares, no exterior, entre contas de Batista e dos publicitários.

Mantega foi ministro da Fazendo entre 2006 e 2014, nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

LPF/ots

Leia mais