#MoreThanMean e as ofensas a mulheres nas redes sociais | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 01.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Ciência e Saúde

#MoreThanMean e as ofensas a mulheres nas redes sociais

Num vídeo, homens leem em voz alta para duas jornalistas alguns dos comentários que são postados para elas nas redes sociais. A campanha contra ofensas a mulheres logo viralizou.

Eles olham para o celular, ficam calados, respiram fundo. Passam a mão na testa, ficam em silêncio. Balançam a cabeça e olham para o lado. Estes homens sentem vergonha. Eles ficam vermelhos quando confrontados com os xingamentos que duas conhecidas repórteres esportivas recebem todos os dias.

Mas eles encaram a tarefa que lhes foi dada. Na cara delas, eles leem os comentários que elas recebem e não conseguem acreditar que haja pessoas que postem expressões tão sexistas, racistas e misóginas. Eles pedem desculpas pelos autores.

Esse vídeo, que encena uma espécie de apedrejamento verbal e virtual de duas mulheres, logo viralizou. Desde 25 de abril, ele foi visto mais de 3 milhões de vezes no Youtube e tornou conhecida a hashtag que o acompanha, #MoreThanMean (#MaisDoQueCruel).

O caso das duas jornalistas esportivas Julie Dicaro e Sarah Spain é só um exemplo dos comentários difamatórios que mulheres jornalistas recebem todos os dias na internet – uma tendência crescente em todo o mundo.

"Espero que seu cachorro seja atropelado", "tomara que o teu namorado te encha de porrada" e "tomara que você seja estuprada" estão entre os comentários mais leves que elas recebem. Os outros não são publicáveis.

"Trata-se de humilhar as mulheres, tanto no nível sexual como profissional", diz Rebecca Beerheide, presidente da Journalistinnenbund, uma associação alemã que fomenta o apoio mútuo entre as profissionais da imprensa alemã.

Segundo ela, reportagens, artigos e comentários assinados por mulheres costumam gerar reações mais virulentas do que os assinados por homens.

Para ela, há duas explicações para o fenômeno. "Por um lado, hoje é mais fácil espalhar preconceitos e difamações por causa das redes sociais. Antigamente era necessário escrever uma carta para o jornal ou a revista. Hoje é possível postar algo a qualquer hora do dia."

Além disso, ela afirma que a sociedade está regredindo em temas sociais que há muito eram considerados superados. "Há um enorme retrocesso, por exemplo em temas como aborto ou religião. Todas as pessoas são esclarecidas, mas a sociedade anda para trás", comenta.

Recentemente, o jornal britânico The Guardian mandou analisar cerca de 70 mil comentários que foram bloqueados no seu site. O resultado: entre os dez jornalistas mais xingados estavam oito mulheres e dois homens. Os homens eram negros.

A pesquisa foi a primeira a pôr em números uma impressão que jornalistas de todo o mundo já têm há muito tempo: textos de mulheres geram mais comentários cheios de ódio do que textos escritos por homens. E não importa o tema.

Assistir ao vídeo 02:43
Ao vivo agora
02:43 min

Veja como surgiu a #FirstTimeIWasCatcalled

Leia mais

Links externos

Áudios e vídeos relacionados