Moreno lidera em pesquisa boca de urna no Equador | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 19.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Moreno lidera em pesquisa boca de urna no Equador

Sondagem coloca candidato do governo na frente e oposicionista Guillermo Lasso como segundo colocado. Resultado pode não ser suficiente para uma vitória em primeiro turno.

default

Moreno vota em Quito

Uma pesquisa divulgada neste domingo (19/02), logo após o fechamento das urnas no Equador, mostrou o candidato do governo, Lenín Moreno, à frente com 39,4% dos votos válidos, contra 30,5% do segundo colocado, o ex-banqueiro Guillermo Lasso, de centro-direita. A sondagem foi feita pelo instituto Cedatos e divulgada pela emissora Teleamazonas. A margem de erro é de pontos percentuais.

Outra pesquisa, da Opecuador e divulgada pela imprensa estatal, mostrou Moreno com 42,9% dos votos válidos, contra 27,7% de Lasso. 

Guillermo Lasso

Guillermo Lasso é o nome mais forte da oposição

Moreno, que foi vice-presidente do atual mandatário, Rafael Correa, necessita de mais de 50% dos votos válidos, ou 40% e uma vantagem de 10 pontos percentuais sobre o segundo colocado, para vencer a eleição no primeiro turno. Se esse resultado não for alcançado, os dois candidatos mais bem votados disputarão o segundo turno, em 2 de abril.

Eleito em 2007 vice-presidente de Correa, Moreno, de 63 anos, tem sido o rosto afável e bem-humorado do "correismo", adotando um tom mais conciliatório. Sob uma cadeira de rodas desde 1998, após ser assaltado, ele é formado em administração pública. Programas de defesa dos direitos das pessoas com necessidades especiais lhe deram prestígio internacional. Moreno propõe seguir o curso social e econômico da chamada Revolução Cidadã e criar universidades de ensino técnico. Ele não fez novas propostas para tirar o país da severa crise econômica.

Lasso, de 61 anos, é um administrador de empresas e foi presidente do Banco de Guayaquil entre 1994 e 2012, uma das instituições financeiras mais importantes do país. Em 1997, ele foi nomeado governador de Guayas, uma das três províncias mais importantes da nação, e logo se tornou ministro da Economia. Membro da Opus Dei e contrário ao aborto, Lasso prometeu durante a campanha criar um milhão de empregos – porém, não deu muitos detalhes de como irá fazê-lo – e reduzir impostos. Ele apoia o livre-comércio e os acordos comerciais com os EUA e a União Europeia e se declarou abertamente contra o chamado Socialismo do Século 21.

Os cidadãos do Equador foram às urnas a escolher o sucessor de Correa, impedido pela Constituição de concorrer a um terceiro mandato, e ainda os 137 deputados da Assembleia Nacional e cinco representantes para o Parlamento Andino. Ao todo, 12,8 milhões de eleitores estavam aptos a votar. Ele podiam escolher entre o modelo socialista há dez anos no poder – representado por Moreno, que foi vice-presidente de 2007 a 2013 – e uma oposição fragmentada em sete candidatos.

AS/rtr/dw/efe/lusa

 

Leia mais