Morales suspende construção de estrada amazônica após protestos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 27.09.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Morales suspende construção de estrada amazônica após protestos

Após violentos embates entre indígenas e policiais, presidente boliviano suspende a construção de uma estrada que cruzaria um parque nacional e é financiada em grande parte pelo Brasil.

default

Morales condenou repressão policial contra manifestantes

O presidente da Bolívia, Evo Morales, cedeu aos protestos dos indígenas nesta segunda-feira (27/09) e anunciou a suspensão da construção de uma estrada em região amazônica. O projeto rodoviário estava provocando tensões políticas em pleno processo eleitoral boliviano.

A estrada de 306 quilômetros de extensão cruzaria um parque nacional no centro da Bolívia conhecido pela sigla Tipnis. O custo de 420 milhões de dólares seria financiado em grande parte (cerca de 300 milhões de dólares) pelo Brasil, através do BNDES. O restante viria do Tesouro Geral da Nação (TGN) da Bolívia. A construção está a cargo da construtora brasileira OAS.

Morales afirmou que o projeto só será retomado se for aprovado em referendo. "Quero salvar uma responsabilidade perante a história e o povo boliviano (...), que haja um debate nacional, um debate do povo boliviano para que decidam [em referendo], especialmente os dois departamentos beneficiários envolvidos [Cochabamba e Beni]", disse o governante.

Com a decisão, o presidente – também indígena e ex-líder dos produtores de coca – tenta conter uma onda de protestos que se estende por todo o país. No dia anterior, a polícia interviera com violência em uma marcha de mais de um mês, realizada por indígenas que se opunham à estrada que atravessaria seu território.

Morales fez sua declaração horas depois de a ministra de Defesa, Cecília Chacón, renunciar em protesto à violenta intervenção policial na manifestação indígena, que se encontrava a 300 quilômetros ao norte de La Paz. A marcha de cerca de 2.000 indígenas fora iniciada em 15 de agosto em Trinidad e percorreu 273 quilômetros em 42 dias.

O presidente boliviano negou haver instruído a repressão policial, que qualificou de "imperdoável", repudiando a "violência, o excesso e o abuso" sofridos pelos manifestantes indígenas. Ele pediu a formação de uma comissão internacional para investigar o caso.

Os indígenas do departamento de Beni prosseguiram nesta segunda-feira com os protestos, fechando ao menos três aeroportos. Depois de enfrentar policiais no povoado de Rurrenabaque, conseguiram liberar manifestantes que haviam sido detidos no domingo pela polícia.

Flash-Galerie Bolivien Protest indigene Bevölkerung

O protesto indígena que se estendeu por 42 dias e 273 quilômetros terminou em violência

Posição brasileira

O governo brasileiro expressou preocupação com os choques entre a polícia e os indígenas. Em nota divulgada em Brasília, o Itamaraty manifestou sua confiança de que "o governo boliviano e diferentes setores da sociedade boliviana seguirão favorecendo o diálogo e a negociação na busca de um entendimento sobre o traçado da estrada, tomando em conta a normativa interna boliviana e boas práticas internacionais relevantes".

Ao mesmo tempo, o governo brasileiro destacou que sua decisão de cooperar com Bolívia na construção se baseia no "entendimento de que se trata de um projeto de grande importância para a integração nacional da Bolívia e que atende aos parâmetros relativos a impacto social e ambiental previstos na legislação boliviana".

Eleições judiciais

Chacón assinalou que "as medidas assumidas [pelo governo], longe de isolar a direita, fortalecem suas ações e a manipulação da marcha". Ao renunciar, Chacón defendeu o diálogo e o respeito aos direitos humanos, discordando das medidas de intervenção sobre a marcha assumidas pelo governo.

Segundo as autoridades, a repressão deixou uma saldo desconhecido de feridos. O conflito ocorreu três semanas antes de eleições judiciais impulsionadas pelo presidente como uma de suas principais reformas e rejeitadas pela oposição conservadora, que faz campanha pelo voto nulo.

O governante esquerdista, declarado seguidor do venezuelano Hugo Chávez, enfrentou em anos passados violentos protestos da oposição direitista em várias regiões. Mas não havia se deparado até o momento com um protesto radical de grupos indígenas, os quais diz representar.

LPF/rtr/dpa
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais